Diário da Região

02/07/2016 - 00h00min

Arquitetura

Casa Cor São Paulo: 30 anos

Arquitetura

Gui Morelli/Divulgação A arquiteta e designer Bárbara Jalles, em sua estreia na Casa Cor, assina o projeto restaurante Badebec (Gui Morelli/Divulgação)
A arquiteta e designer Bárbara Jalles, em sua estreia na Casa Cor, assina o projeto restaurante Badebec (Gui Morelli/Divulgação)

Pensar a casa como espaço de celebração da vida é o objetivo da 30ª edição da Casa Cor, que acontece até 10 de julho, no Jockey Club – um dos espaços mais charmosos e icônicos de São Paulo. Liderada por Livia Pedreira, a mostra segue sua premissa de unir profissionais, indústria, lojistas e toda a cadeia envolvida na arte do morar. 
Nesta edição a grande novidade e surpresa para muitos foi a utilização do prédio do Ambulatório do Jockey. Segundo a organização do evento o local é um belo exemplar do art déco paulistano dos anos 1940, mas o estado de deterioração não permitia apreciar os detalhes do edifício assinado pelo francês Henri Sejous (1897-1975). Em processo de restauração, capitaneado pela Casa Cor, ele recebeu os 70 ambientes da mostra. 
Com um pé no presente, e outro no passado, a Casa Cor mira o futuro e traz para o visitante a proposta de uma vida mais saudável. O comitê curador, composto por Cristina Ferraz, Pedro Ariel Santana, Roberto Dimbério e Cristina Bava, reuniu um elenco de profissionais consagrados e jovens talentos. 
A revista Vida&Arte selecionou quatro ambientes para você conhecer um pouquinho da mostra e quem sabe correr para São Paulo e ver o resto de perto. Ainda dá tempo! 

 

Badebec Restaurante Badebec - Bárbara Jalles: O lounge de entrada traz peças de Sergio Rodrigues, que dialogam com outras inspirações no mobiliário, como as cadeiras de design escandinavo e mesas em madeira com pés em aço oxidado (Foto: Gui Morelli/Divulgação)

Restaurante Badebec

A arquiteta e designer de interiores Bárbara Jalles estreia sua participação na 30ª edição da Casa Cor SP em grande estilo, assinando o ambiente mais tradicional da mostra, o restaurante Badebec. A nova roupagem proposta pela profissional conferiu aos 225m² atmosfera jovem e moderna, mas sem perder as referências clássicas da arquitetura original. O restaurante será o único espaço que permanecerá para os sócios do Jockey ao término da mostra.
Driblando os desafios, Bárbara Jalles teve total liberdade para explorar conceitos, materiais e aplicar as mais diversas referências em um dos principais projetos até hoje executados em sua trajetória. “A concepção e execução desse projeto vai além de um ambiente para uma mostra. Será um legado para todos que compartilham da vida do Jockey”, comenta Bárbara.
A combinação harmônica entre madeira, couro, vidro e aço corten proporcionaram aconchego, elegância e contemporaneidade ao hall, salão principal e área externa. Foram priorizados materiais e soluções sustentáveis com matérias-primas nobres e naturais, além do aproveitamento da luz natural, ao ‘rasgar’ as paredes com janelas imensas que fazem um perfeito link entre as áreas interna e externa. A mesma ideia de funcionalidade foi aplicada entre o deck e o bar, conferindo dinamismo no atendimento, criando sutil separação entre os ambientes, já que o salão principal se estende até parte do lounge.  

Vagão de trem Vagão de Trem - Léo Shehtman: Após a restauração, o vagão de trem de 1945, abandonado há quase 30 anos, foi transformado em loft. Uma estrutura interna em madeira unificou o espaço de 40m2, que recebeu decoração art déco. O estilo é representado em peças desenhadas pelo próprio arquiteto (Foto: Damian Golovaty/Divulgação)

Vagão de trem

O arquiteto e designer Léo Shehtman, propõe a si mesmo e à sua equipe um desafio. O reaproveitamento de um vagão de trem abandonado (1945), o objetivo é reformá-lo para se transformar em um lounge.
A área interna do vagão conta com living, banho, uma sala de almoço e cozinha priorizando a integração entre esses ambientes e o ordenamento do espaço de uma forma otimizada. O espaço busca resgatar a essência e a elegância do movimento Art Déco - movimento popular internacional de design que afetou a arquitetura, design de interiores e desenho industrial, entre outras artes decorativas.
A área externa conta com um deck revestido em porcelanato de madeira, que além de dar acesso às dependências internas, também funciona como uma área de descanso e contemplação, aproveitando a melhor vista do Jockey de São Paulo. “Em um momento onde tanto se fala em recuperar, preservar e reinventar, decidimos reformar um vagão de trem e mostrar como podemos dar novos usos para o que muitos consideram ‘lixo’ ou ‘descartável’. Mostrar como o ‘belo’ pode surgir a partir de qualquer lugar ou situação, esse projeto tenta mostrar que é sim possível reutilizar estruturas e ter conforto e praticidade em espaços pequenos”, revela o arquiteto que mais participou da Casa Cor São Paulo (29 edições).  

Estúdio jabuticabeira Estúdio Jabuticabeira - Nildo José: O banco multifuncional de concreto contorna o espaço e é peça-chave do loft. Ele faz as vezes de chapelaria, aparador, prateleira, apoio da lenha da lareira e banco da mesa de jantar. A sensação de continuidade e amplitude vem do uso de madeira canadense no piso sem rodapés e nas paredes. E o nome do espaço vem da jabuticabeira presente na sala (Foto: Marcos Antônio/Divulgação)

Estúdio Jabuticabeira

O Estúdio Jabuticabeira, apartamento jovial, acolhedor e funcional de 44m² é assinado por Nildo José em sua estreia na Casa Cor SP. O nome do projeto se deu em homenagem à árvore frutífera suspensa por cabos de aço desenvolvidos pela técnica japonesa Kokedama. As obras de arte dão ar contemporâneo e ainda mais descolado ao espaço.
Aderindo a inúmeros papéis e funções ao longo do estúdio, o banco é destaque. Pode ser usado como apoio à mesa de jantar, criado mudo para cama, apoio para o sofá e até para disponibilizar as toalhas próximas à banheira. “A ideia do banco faz analogia direta com o espírito do aniversário de três décadas da Casa Cor. Não há um limite exato de pessoas sentadas aqui no espaço, sempre cabe mais um!”, brinca o arquiteto Nildo José.
Seguindo projeto adentro o bar conceitual, com caixas de madeira, também está apoiado no banco. Ao lado do sofá o banco dá lugar a uma lareira e oferece suporte aos livros. A cama desenhada pelo arquiteto conversa discretamente com o banco que agora serve para apoio ao dormitório. O banheiro parece uma caixa-preta forrada com madeira ebanizada com interior de concreto no acabamento. 

Cozinha do futuro Cozinha Gourmet Todeschini - Guilherme Torres: A bancada em Corian soluciona o espaço ao funcionar como armário e ocultar a pia e a máquina de lavar. A mesa em inox inova com o sistema de cocção por indução, que dispensa o uso de fogão e confere o visual adequado ao espaço que é um híbrido de cozinha e estar. O duo preto e branco é explorado de várias formas, transmitindo um ar futurista (Foto: Denilson Machado/Divulgação)

A cozinha do futuro

Em sua 3ª participação na Casa Cor SP, Guilherme Torres antecipa o futuro da cozinha como espaço de convivência mais elementar da casa num ambiente onde os elementos fogo e gelo cedem lugar à tecnologia da indução – e ao design da emoção.
A comedoria doméstica será o espaço da casa que mais apresentará inovações na próxima década. Fugindo das convenções, lugares comuns e raios gourmetizadores, a proposta de Guilherme Torres apresentada elimina de vez o conceito de casa grande e senzala. “A revolução industrial proporcionou enormes avanços em processos, do plantio à mesa, mas a tecnologia se desenvolve sempre de forma pouco usual”, pontua Guilherme Torres. 
Em parceria com a Todeschini, Torres leva às últimas consequências o conceito do “comedouro” como o coração da moradia, mas propondo uma zona onde os eletrodomésticos estão mimetizados ao ambiente. As tecnologias propostas aparecem sutilmente, como na bancada de corian que oculta pia e máquina de lavar, que também fará as vezes de armário, evitando tarefas repetitivas, e na mesa em inox, que comporta sistema de cocção por indução, aposentando o fogão. 

Serviço
Bárbara Jalles, arquiteta e designer de interiores, em São Paulo, www.barbarajallesguimaraes.com.br
Guilherme Torres, arquiteto, em São Paulo, www.guilhermetorres.com
Leo Shehtman, arquiteto e designer, www.leoshehtman.com.br
Nildo José, arquiteto, em São Paulo, www.nildojose.com 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso