X
X

Diário da Região

15/12/2017 - 23h58min

Brasília

Vereador criou a própria vaga na Câmara

Brasília


Sem os votos necessários para tomar posse como vereador, um candidato da cidade de Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba, arrumou uma forma ilegal para assumir a vaga. Ele falsificou documentos que levaram a Justiça, o Ministério Público e a Câmara de Vereadores a empossá-lo em fevereiro do ano passado como vereador do município. A fraude só foi descoberta um ano e oito meses depois, o que levou a prisão, na quarta-feira passada, de José Augusto Liberato (PDT).

Zé Augusto, como é conhecido, disputou as eleições municipais de 2012, mas obteve somente 391 votos, o suficiente para fazê-lo apenas primeiro suplente. Ele conseguiu ser empossado vereador sem ter vencido a disputa após apresentar à Justiça Eleitoral cópia da edição de um jornal local que traria uma decisão da Câmara de Vereadores de aumentar o número de cadeiras de nove para 11 vagas. Os vereadores, contudo, nunca aprovaram o aumento de cadeiras em mais duas vagas, tampouco o jornal publicou a decisão.

Conforme investigadores, o vereador imprimiu em papel jornal a suposta determinação da Câmara de aumento de vagas e montou uma edição falsa do periódico, obtendo uma decisão judicial favorável. A Polícia Federal considerou a fraude uma "exótica falsificação".

Além de Liberato mais um vereador foi empossado graças à fraude. Esse outro vereador, entretanto, não participou do esquema, segundo a PF.

A própria Câmara dos Vereadores denunciou o caso à PF um ano e oito meses depois de ter dado posse a Zé Augusto. Até então, a direção do Legislativo local entendia que Liberato tornara-se um colega por decisão judicial.

Mandato

Uma perícia nos documentos comprovou a fraude nos papéis e levou a PF a prender o "vereador" em sua casa. Ele, contudo, continua com mandato até que sua posse seja anulada. A Justiça deve decidir agora sobre a validade dos projetos aprovados pelo falso parlamentar.

Ao ser preso, Liberato alegou que não havia falsificado o documento que o levou a tomar posse na Câmara. Na casa dele foram recolhidos diversos documentos para análise, que, juntamente com o preso, foram trazidos para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O Estado não conseguiu contato com o advogado de Liberato. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso