Diário da Região

16/11/2002 - 00h05min

Questão agrária

Lula prepara programa para conter MST

Questão agrária

ABr Lula e sua equipe calcula que seriam necessários R$ 2 bi para assentamento
Lula e sua equipe calcula que seriam necessários R$ 2 bi para assentamento
Uma das primeiras medidas de impacto a serem anunciadas pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), logo após a posse, será um amplo programa de reforma agrária. A previsão é de assentamento, em poucos meses, de parcela substancial das cerca de 100 mil famílias de sem-terra acampadas em vários Estados brasileiros, segundo fontes do PT e líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O anúncio deverá ser suficiente para conter eventuais tentativas de mobilização de setores mais radicais do MST no primeiro ano do novo governo. O detalhamento do plano e cronograma de viabilização da reforma agrária tem mobilizado a equipe ligada a José Graziano da Silva, coordenador do Fome Zero. O aporte de recursos e os apoios prometidos para o Fome Zero, nas últimas semanas, por instituições internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o Banco Mundial e a FAO - organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) para o fomento à agricultura e o combate à fome - abriram novas perspectivas .

Estimativas iniciais feitas por Graziano apontavam a necessidade de R$ 5 bilhões, em 2003, para iniciar a implantação do Fome Zero. Este dinheiro, segundo ele, seria garantido no Orçamento. Na semana passada, o BID anunciou aporte de US$ 9 bilhões para programas na área social do futuro governo. Na quinta-feira o subdiretor-geral e representante da FAO para a América Latina, Gustavo Gordillo de Anda, informou que há uma grande soma de recursos disponíveis no Banco Mundial para programas de combate à pobreza no Brasil. O agrônomo Gerson Teixeira, presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra) e principal assessor técnico do Núcleo Agrário do PT, faz as contas. ?De acordo com cálculos oficiais, são necessários recursos de cerca de R$ 9 mil por família para garantir o assentamento e outros R$ 9,5 mil para pôr a propriedade desta família no processo produtivo?, diz.

Segundo os cálculos de Teixeira, com pouco menos de R$ 2 bilhões o novo governo conseguiria assentar as 100 mil famílias de sem-terra acampadas no País e colocá-las imediatamente na cadeia de produção. ?A partir da segunda safra, estas propriedades entrariam no circuito de mercado e passariam a contar com as linhas de crédito previstas no Fome Zero para a agricultura familiar?, avalia o agrônomo. Ainda pelas contas de Teixeira, assim como pelas de Gilmar Mauro, coordenador nacional do MST, o País tem disponibilidade de terras para fazer até mais de 100 mil assentamentos imediatos. ?Para assentar os 100 mil acampados, são necessários aproximada mente 2 milhões de hectares?, calcula Mauro. De acordo com números utilizados por Mauro e por Teixeira, o Brasil tem cerca de 90 milhões de terras agricultáveis devolutas ou em latifúndios improdutivos.

Viagem a Brasília é cercada de festa
A viagem do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ontem, de São Paulo a Brasília, transformou-se em sessão de fotos e de autógrafos. A descontração era total no vôo de carreira da Rio-Sul. Nem o presidente eleito, nem sua esposa, Marisa, e os demais passageiros aparentavam desconforto com o atraso de cerca de uma hora. ?O vôo foi ótimo, foi a maior bagunça?, disse a passageira Neide Farias, moradora da capital federal. Segundo relato dos passageiros, durante toda a viagem, Lula, que se sentou na segunda fila de cadeiras, conversou com todos e se mostrou muito alegre e atencioso. Foi formada uma fila para fazer fotos ao lado do presidente e para pedir autógrafos.

Alguns passageiros se mostraram surpresos com a iniciativa de Lula de tomar um vôo de carreira. ?Só ele mesmo para pegar um vôo comercial?, comentou a passageira Selene Marine Rocha. No meio da viagem, Lula foi visitar a cabine dos pilotos. ?Aí aconteceu uma coisa curiosa, havia turbulência e quando ele entrou ela acabou?, disse o economista paulista Gabriel Costa Mallab, que visita a filha em Brasília. O atraso do vôo foi motivado, segundo a companhia aérea, por motivos operacionais e não pela presença do presidente eleito. Lula e Marisa tiveram um

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso