X
X

Diário da Região

09/12/2016 - 10h02min

Belo Horizonte

Justiça vê venda simulada de imóvel de prefeito eleito de BH

Belo Horizonte

A Justiça Eleitoral em Minas suspeita de que o prefeito eleito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), tenha simulado a venda de parte de um imóvel que possui na capital para repassar R$ 2,2 milhões à sua campanha. A operação teve participação de empresa que tem como sócio o empresário Vittorio Medioli, um italiano naturalizado brasileiro, eleito prefeito de Betim, na região metropolitana, pelo mesmo partido de Kalil. O posicionamento consta de pedido de reconsideração enviado pela defesa de Kalil ao juiz Delvan Barcelos Júnior, da 334.ª Zona Eleitoral, que, seguindo parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE), desaprovou as contas de campanha exatamente por causa da operação envolvendo o imóvel. Segundo descrito no posicionamento do juiz, que manteve a desaprovação das contas, parte do apartamento de Kalil foi comprada pelos filhos do prefeito eleito por R$ 2.231.250 - montante repassado à época diretamente para a conta do prefeito eleito. O dinheiro para a compra, ainda conforme mostrado na decisão, teria saído da venda, pelos filhos de Kalil, de outro apartamento que também fica na capital mineira. A compra desse imóvel foi feita, conforme a decisão judicial, pela empresa CBC Imóveis e Conservadora Ltda., que tem como sócios Medioli e a Sada Participações S/A, também do prefeito eleito de Betim. Segundo o juiz, um dos principais indícios de que houve irregularidades é que o dinheiro foi enviado diretamente a Kalil, "sem tramitar pelas contas dos promitentes vendedores". Dessa forma, existiria ainda a possibilidade de ter ocorrido doação de recursos, por parte dos filhos, acima do limite legal. A assessoria de comunicação de Kalil afirmou que pretende agora aguardar julgamento do recurso pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG). Medioli disse que o negócio foi dentro da lei. "Foi um negócio completamente legal. Os filhos do Kalil me procuraram, me ofereçam o imóvel por um preço muito bom e eu comprei. Agora vão me entregar o apartamento." Sobre o fato de o dinheiro ter ido diretamente para a conta de Kalil, Medioli afirmou que foi um pedido dos filhos de seu colega de partido. Histórico A possível irregularidade nas contas do prefeito eleito foi identificada por técnicos do TRE-MG, que emitiram parecer enviado para o juiz e para posicionamento do MPE. O parecer afirmava que Kalil não conseguiu comprovar a venda de parte do apartamento. Os R$ 2,2 milhões do imóvel correspondem a mais de 60% de toda a arrecadação de campanha alcançada pelo candidato. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso