X

Diário da Região

15/12/2017 - 14h20min

Brasília

Ex-vice presidente da Camargo Corrêa diz em CPI que herdou prática de propina

Brasília

Deputados da CPI da Petrobras começaram a ouvir na manhã desta terça-feira, 26, o depoimento de Eduardo Hermelino Leite, ex-vice-presidente da Camargo Corrêa. Falando em arrependimento, Leite disse que "lamentavelmente" participou do pagamento de propina a agentes públicos e privados e que hoje tem seu futuro profissional comprometido. "Mais do que arrependimento, tenho uma profunda frustração profissional", declarou. Em suas primeiras palavras, o executivo disse que tinha 21 anos de Camargo Corrêa e que em 2009, ao assumir a diretoria de Óleo e Gás da empresa, herdou um esquema preexistente, passado por seus antecessores. Ele relatou que os colegas haviam dito que o "cliente" (Petrobras) funcionava dessa maneira e que era difícil deixar tal "atividade". "Herdei uma prática e tive de administrá-la, mantendo os procedimentos já adotados", comentou. Ao assumir a prática de atos ilícitos, Leite confirmou que manteve contato com os ex-diretores Renato Duque (Serviços) e Paulo Roberto Costa (Abastecimento) - e com o ex-deputado federal José Janene (PP-PR) e os operadores Júlio Camargo, Alberto Youssef e João Vaccari Neto. "Eram operadores contumazes, que insistiam no pagamento dessas obrigações", disse. Júlio Camargo e Youssef foram chamados por ele de facilitadores de encontros com os diretores da Petrobras. O delator chegou a revelar, em oitiva à Justiça Federal na semana passada, que foi procurado por Costa e Duque para pagar propina mesmo depois que eles deixaram os cargos na estatal. Leite destacou que 1% do custo da obra era destinado ao pagamento de propina. "Esse custo era cobrado pela Petrobras, conforme o andamento da obra", contou. De acordo com ele, se não tivesse esse custo, os valores cobrados da estatal poderiam ter sido 2% menores, já que era pago metade para cada diretoria. Leite falará apenas sobre os crimes relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras. O executivo, que cumpre prisão domiciliar e renunciou ao direito de ficar em silêncio, é ouvido na condição de investigado.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso