X
X

Diário da Região

04/02/2015 - 22h00min

Curitiba e São Paulo

Delator diz ter pago propina de R$ 15 milhões para Duque e Costa

Curitiba e São Paulo


O delator Júlio Gerin Camargo afirmou nesta quarta-feira, 4, que como representante do consórcio Ecovap, formado pelas empreiteiras OAS, SOG Óleo e Gás e Toyo Engeneering pagou R$ 15 milhões em propina para os ex-diretores da Petrobras Renato Duque (Serviços) e Paulo Roberto Costa (Abastecimento). Os valores teriam sido remetidos ao exterior, por meio de transferência oficiais dentro do sistema de controle do Banco Central, por meio de suas três empresas de consultoria.

"Nesse (contrato do consórcio Ecovap) foram R$ 15 milhões em duas áreas, Engenharia metade e outra metade para Abastecimento", afirmou Camargo, em depoimento à Justiça Federal na ação penal em que executivos da OAS são réus. O consórcio foi formado para execução de obras na Refinaria Henrique Lange, em São José dos Campos (SP), a partir de 2007 por R$ 1,5 bilhão.

"(Na Diretoria de) Abastecimento iria para o doutor Paulo Roberto e (na Diretoria de) Engenharia Renato Duque."

Questionado pelos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, o delator afirmou que a "maioria (do dinheiro) foi para o exterior". "Quando era solicitada alguma coisa em reais, eu fazia depósito no exterior e o Alberto (Youssef) depositava em reais no Brasil", explicou ele. As suas empresas de consultoria - Treviso, Auguri e Piemonte - eram usadas para fazer o envio da propina.

"Essas empresas remetiam oficialmente pelo Banco Central, através dos lucros auferidos pelas receitas frutos do faturamento do consórcio, com impostos pagos", explicou ele. Questionado pelo juiz federal Sérgio Moro, Camargo afirmou ter pago propina para os ex-diretores em seis contratos da estatal.

O delator apontou ainda o doleiro Alberto Youssef como operador oficial dos recebimentos de propina na Diretoria de Abastecimento, por indicação do ex-deputado José Janene - morto em 2010 -, ex-líder do PP e pivô do escândalo Petrobrás.

A empreitara OAS tem seis executivos denunciados na Lava Jato, entre eles o presidente José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro. A empreiteira e seus executivos negam irregularidades e pagamentos de propina. Parte dos acusados no processo estão presos desde o dia 14 de novembro de 2014.

Na denúncia, os executivos da OAS, Youssef e seus operadores e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa são acusados por terem praticado 20 atos de corrupção e 14 de lavagem de dinheiro. A empreiteira é acusada pelo MPF de ter pago um total de R$ 29 milhões em propina para corromper Costa e o diretor de Serviços Renato Duque, indicado para o cargo pelo PT.

Só pelos contratos da OAS com a Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, entre 2004 e 2012, o Ministério Público Federal almeja o ressarcimento de R$ 213 milhões, referente aos 3% que eram desviados dos contratos

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso