X
X

Diário da Região

11/02/2015 - 16h13min

São Paulo e Curitiba

'Carregador' de malas de dinheiro na Petrobras decide fazer delação

São Paulo e Curitiba


O engenheiro Shinko Nakandakari, apontado como carregador de malas de dinheiro para o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, começou a ser ouvido pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Ele é o primeiro dos 11 operadores de propina, alvos da nona fase das investigações que apuram corrupção em contratos da estatal - batizada de My Way -, que decidiu colaborar com a Justiça.

Segundo o ex-gerente de Engenharia Pedro Barusco - que era braço direito de Duque na Petrobras -, Nakandakari era um dos "operadores" de propina que atuava na Diretoria de Serviços - reduto do PT na estatal.

"Shinko entregava pessoalmente o dinheiro em euros, reais ou dólares, sempre na quantia correspondente a aproximadamente R$ 100 mil, normalmente nos hotéis Everest, Sofitel e Ceasar Park, onde 'tomavam um drink ou jantavam'", descreveu Barusco.

O termo de delação de Nakandakari está em fase de negociações. Os investigadores da Lava Jato estão "discutindo com Shinko o acordo de colaboração premiada, estando em curso a tomada de depoimento". É o que informou o Ministério Público Federal ao juiz federal Sérgio Moro, nos autos da Lava Jato. Nakandakari é importante testemunha para elucidar as relações de Duque com o esquema de propina na Petrobras.

Além de ter sido apontado como operador de propina em nome da empreiteira Galvão Engenharia - uma das 16 empreiteiras do cartel -, Nakandakari trabalhou por 12 anos na construtora Norberto Odebrecht.

"Shinko operacionalizava o pagamento de propinas por conta de contratos firmados entre a Galvão Engenharia, representada por Erton Fonseca, e a EIT Engenharia", afirmou Barusco. O ex-gerente de Engenharia era próximo de Nakandakari.

Segundo Barusco, Nakandakari é "um ex-diretor aposentado da Odebrecht". Eles eram amigos, "jantavam juntos e já viajaram". O nome do primeiro dos operadores da Diretoria de Serviços a tentar uma delação já havia sido apontado pelo executivo da Galvão Engenharia.

A informação contrapõe a versão da defesa do executivo Erton Medeiros de Fonseca, da Galvão Engenharia, que alegou ter sido ameaçado por Nakandakari a pagar R$ 8,3 milhões em propinas a um "emissário" da Diretoria de Serviços da Petrobras - no caso, o próprio Shinko Nakandakari.

"O sr. Shinko não era e nunca foi emissário (da Diretoria de Serviços)", declarou o advogado Rogério Taffarello. "Ele é um engenheiro conhecido e muito respeitado no mercado, formado pela Escola Politécnica. Fez carreira internacional e tem o diploma reconhecido pela Universidade de Coimbra (Portugal). Possui uma trajetória de décadas de grandes obras de infraestrutura. Chegou a ocupar o cargo de diretor de uma das maiores empreiteiras do País."

Nakandakari confirma ter sido consultor da empreiteira Galvão Engenharia, segundo informou seu advogado, Rogério Fernando Taffarello.

"Ele (Nakandakari) foi procurado pela Galvão Engenharia com a finalidade de fazer consultoria para buscar o reequilíbrio financeiro de contratos (com a estatal). Jamais atuou como pessoa interposta da Petrobras ou qualquer outra empresa ou órgão público, em qualquer situação", declarou o defensor.

"As pessoas já o conheciam do mercado há décadas. Uma empresa que o procurou foi a Galvão Engenharia. De fato, ele prestou consultoria para a Galvão. É diferente de ser emissário (da Diretoria de Serviços da Petrobras)", pondera o advogado.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso