X
X

Diário da Região

23/01/2016 - 09h27min

São Paulo

Uso de drogas degrada entorno da sala SP

São Paulo

Frequentadores da Sala São Paulo, principal casa de concertos, no centro da capital, e comerciantes da região queixam-se de degradação, abandono e insegurança na Praça Júlio Prestes, localizada ao lado da cracolândia. Eles afirmam ter notado aumento da circulação de dependentes químicos e pedintes. A Secretaria da Segurança Pública diz que a interlocução com a Secretaria da Cultura - instalada no mesmo edifício - é permanente a respeito da vigilância no entorno. O estudante de Direito Giovanni Cordeiro, de 21 anos, que frequenta a sala, destacou o aumento de usuários de drogas na calçada. "Na lateral, você vê muitos dependentes dormindo. Isso incomoda. Quem está saindo do trem indo para a área de espetáculos se incomoda. Fica com medo", afirma. Cordeiro relata que amigos já foram vítimas de "abordagens" por parte dos viciados. "Muitas vezes, ele são muito agressivos. É muito perigoso, por exemplo, para uma senhora sair (da sala) à noite e ficar ali fora esperando táxi", diz. Joselito Lima, comerciante de 46 anos, explica que os usuários pedem dinheiro "já intimando". E aponta casos de furto e roubo na região. Motorista há 16 anos na Secretaria da Cultura, Roberto de Oliveira, de 63 anos, diz que o comércio no entorno da sala "está prejudicado" em função da "multiplicação de usuários de droga". "Piorou muito. Antes, eles não ficavam no semáforo pedindo. Agora, estão começando a ficar." Assinante de concertos, o arquiteto e ouvidor do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU-SP) Affonso Risi, de 69 anos, considera a Sala São Paulo "um milagre" em meio ao centro da capital. O arquiteto pede que os órgãos públicos tratem com cuidado a região, que, a seu ver, está "feia". "Dá uma tristeza ver aquele espaço mal gerido. Vejo a pobreza em volta, a sujeira, o descaso. Logo que a sala foi inaugurada (em 1999), foi feita uma praça muito bonita. A entrada era pela praça, que foi destruída. Hoje está impraticável", diz. Em nota oficial, a Secretaria da Segurança Pública afirmou que a PM "realiza patrulhamento preventivo" no entorno e, de janeiro a novembro de 2015, 189 pessoas foram presas na área e dez armas de fogo, apreendidas. Já a Secretaria da Cultura reforçou a parceria com SSP e observou que a área tem "complexa dinâmica social em função da epidemia do uso de crack". Procurada, a Subprefeitura da Sé informou que a praça recebe serviços de varrição todos os dias e de lavagem semanalmente, mas fará uma vistoria na área no dia 26. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso