X
X

Diário da Região

11/09/2015 - 09h14min

Caracas

Tribunal da Venezuela sentencia oposicionista a mais de 13 anos de prisão

Caracas

O líder oposicionista venezuelano Leopoldo López, que chamou a atenção internacional desde que foi detido no ano passado, foi sentenciado a 13 anos e nove meses de prisão. Um tribunal do país o considerou culpado por incitar a violência em protestos de rua no ano passado, segundo o governo. López cumprirá a sentença na prisão militar Ramo Verde, nas proximidades de Caracas, onde ele é mantido desde que se entregou às autoridades, em fevereiro de 2014. Ex-prefeito da rica municipalidade de Chacao, López é defendido pelos críticos do presidente Nicolás Maduro, que acusam o líder esquerdista de tentar silenciar os rivais políticos. O partido Vontade Popular, de López, afirmou que o político se tornou a primeira pessoa na história do país a ser detido apenas por suas palavras. O veredicto deve elevar as tensões políticas, antes de eleições parlamentares em 6 de dezembro. Pesquisas mostram que o governo Maduro está em dificuldade, enquanto moradores lidam com a escalada da inflação, o desabastecimento de alguns alimentos e a criminalidade. Aos 44 anos e graduado na Universidade Harvard, López foi um dos líderes das manifestações contra o governo do ano passado, que continuaram durante meses após sua prisão. No total, 43 pessoas morreram em conflitos violentos entre manifestantes e as forças de segurança oficiais. O escritório da procuradoria-geral afirmou que promotores usaram textos escritos por López em redes sociais para mostrar que ele incitou seus seguidores a ações violentas nas ruas e a rejeitar o governo e outras instituições do Estado venezuelano. Maduro acusou o político de ser parte de um grupo de extrema-direita que teria como objetivo derrubá-lo do poder. O julgamento, que durou 14 meses, foi fechado ao público e à imprensa. Advogados de defesa reclamaram da parcialidade do Judiciário, que teria impedido a apresentação de provas. O tribunal admitiu ouvir apenas uma das 65 testemunhas indicadas pela defesa, enquanto permitiu que o governo apresentasse 108 testemunhas. O diretor para as Américas da organização Human Rights Watch, José Miguel Vivanco, criticou duramente o julgamento. Segundo ele, o Judiciário do país não tem independência e o caso foi enviado a um juiz provisório. Vivanco afirmou que a promotoria não apresentou nenhuma evidência básica vinculando López aos crimes e que o réu não teve a chance de se defender adequadamente. A Organização das Nações Unidas e o governo dos Estados Unidos já pediram a libertação do político. Em maio, López e outro líder oposicionista preso, Daniel Ceballos, fizeram uma greve de fome. Na gravação divulgada clandestinamente, López exigia que o governo estabelecesse uma data para as eleições parlamentares, o que acabou sendo feito um mês depois. Fonte: Dow Jones Newswires.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso