X
X

Diário da Região

05/02/2016 - 09h29min

Londres

Reino Unido diz que ainda pode prender Assange, apesar de decisão da ONU

Londres

Um relatório de um painel da Organização das Nações Unidas determinou que Julian Assange, fundador do WikiLeaks, enfrenta uma "detenção arbitrária". Assange vive há três anos e meio na embaixada do Equador em Londres, para evitar ser detido. Após a divulgação da notícia, o governo do Reino Unido afirmou que nada mudou no caso e que, caso Assange deixe a embaixada, será detido. O governo da Suécia também informou que, para ele, nada mudou. O painel da ONU, conhecido como Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, recomendou que autoridades da Suécia e do Reino Unido deem a Assange liberdade de movimento e disse que ele tem o direito de pedir uma indenização. Autoridades suecas, que já revelaram a decisão do painel um dia antes de sua divulgação oficial nesta sexta-feira, disseram na quinta-feira que discordavam das conclusões, mas não quiseram falar mais sobre o assunto. Promotores suecos querem extraditar Assange para que ele seja questionado sobre as alegações de ataque sexual. Segundo eles, a decisão do painel da ONU "não tem impacto formal na investigação em andamento, segundo a lei sueca". Assange nunca foi acusado formalmente e nega as alegações. Ele argumenta que os esforços das autoridades suecas são um prelúdio para que ele seja extraditado para os EUA e acusado de vazar milhares de documentos secretos norte-americanos. Os EUA por enquanto não acusaram Assange nem pediram sua extradição. A decisão da ONU não tem força legal, lembraram autoridades britânicas e suecas, mas representa uma vitória no quesito relações públicas para Assange. A decisão do painel não foi unânime, já que o ucraniano Vladimir Tochilovsky discordou dos outros três membros votantes, por entender que o painel não podia se debruçar sobre o caso porque Assange não está detido, na avaliação dele. Um quinto membro do painel não se pronunciou, por ser uma australiana, como Assange. O secretário das Relações Exteriores do Reino Unido, Philip Hammond, qualificou as conclusões do painel da ONU como "francamente ridículas". A chancelaria britânica disse em comunicado que contestará formalmente a opinião do painel. Fontes: Dow Jones e Associated Press.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso