X
X

Diário da Região

06/02/2015 - 17h42min

Beirute

Refém americana é morta em ataque aéreo da Jordânia, afirma Estado Islâmico

Beirute


Um comunicado atribuído ao grupo extremista Estado Islâmico esta sexta-feira afirmou que a norte-americana Kayla Jean Mueller, que era refém do grupo, foi morta durante um ataque aéreo conduzido pela Jordânia.

Segundo a mensagem, distribuída na internet, Kayla, de 26 anos, foi morta em um ataque à cidade de Raqqa, durante as orações muçulmanas, que são feitas perto do meio-dia às sextas. Ele diz ainda que os aviões bombardearam "a mesma área por mais de uma hora."

Em Washington, a Casa Branca afirmou que ainda não existem evidências o suficiente para corroborar a morte da norte-americana. Ainda assim, a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Bernadette Meehan, afirmou que o governo está "profundamente preocupado" com os relatos.

Já o porta-voz do governo jordaniano, Mohammed Al-Momani, disse que o país está checando a informação, mas que acredita se tratar de propaganda criminosa. "Como eles puderam identificar uma aeronave jordaniana no céu? E o que uma prisioneira norte-americana estava fazendo em um depósito de armas?"

A Jordânia, que faz parte da coalizão responsável pelos ataques aéreos, aumentou suas incursões à Síria após os extremistas divulgarem vídeo mostrando um piloto da Força Aérea do país sendo queimado vivo. O governo, entretanto, não divulga quais foram os locais atacados.

O anúncio do Estado Islâmico não pode ser confirmado por terceiros, de forma independente. Embora tenham também divulgado imagens do local após o bombardeio, a prisioneira não aparece em nenhuma delas.

Ativistas de organizações de direitos humanos que estão na região, entretanto, confirmam que aviões coalizão liderada pelos Estados Unidos bombardearam os arredores da cidade de Raqqa nesta sexta-feira.

Um coletivo conhecido como "Raqqa está sendo silenciosamente massacrada" afirmou que os aviões atacaram diversas posições do Estado Islâmico, levantando colunas de fumaça no céu. Eles não confirmaram nenhuma morte de civis ou militantes.

Kayla foi capturada enquanto trabalhava em um programa de ajuda humanitária na Síria, em 2013. No domingo, o presidente Barack Obama havia dito que os Estados Unidos estão "empregando todas as nossas ferramentas para salvá-la." Fonte: Associated Press.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso