Diário da Região

23/08/2013 - 14h39min

Cairo

Presença militar reduz manifestações no Egito

Cairo


Soldados egípcios foram enviados para as ruas nesta sexta-feira, dia em que milhares de partidários do presidente deposto Mohammed Morsi saíram em passeata para pedir seu retorno. Mas desta vez a Irmandade Muçulmana, grupo do qual Morsi faz parte, não conseguiu a adesão da grande quantidade de pessoas às manifestações, o que pode ser um sinal de que a dura repressão do atual governo militar afetou a base de apoio do grupo.

Num dia que recebeu o nome de "sexta-feira dos mártires", grupos de centenas de pessoas gritavam palavras de ordem contra os militares e carregavam pôsteres de Morsi em ruas laterais e do lado de fora de mesquitas de bairro. Pelo menos um pessoa foi morta em confrontos na cidade de Tanta, no delta do rio Nilo, mas não houve nenhum grande tumulto.

Milhares de pessoas marcharam pelas ruas do bairro de Nasr City, no Cairo, algumas gritando "estamos dispostos a sacrificar nossas vidas" e "nós prometemos aos mártires que colocaremos fim ao governo militar", numa referência às centenas de pessoas que morreram em confrontos com o Exército durante ataques contra acampamentos de protesto. Um homem ergueu uma fotografia de Morsi com as palavras "nosso presidente legítimo".

Mas não foram vistas as enormes concentrações de pessoas nas principais ruas e praças, pois veículos blindados e soldados estavam do lado de fora das mesquitas e em outras áreas estratégicas. Os militares também fecharam as principais ruas, alguns viadutos e cercaram várias praças, entre elas a Tahrir, numa demonstração de força com o objetivo de evitar os partidários de Morsi de se reunirem em massa.

Veículos blindados cercaram o palácio presidencial e bloquearam a mesquita de Rabaah al-Adawiya, onde partidários de Morsi permaneceram durante semanas em sinal de protesto, agrupamento que foi violentamente dispersado em 14 de agosto, resultando na morte de centenas de pessoas.

Os que participaram dos protestos evitaram as principais vias e praças que haviam sido tomadas por partidários de Morsi nas semanas após sua deposição, em 3 de julho.

O número menor de participantes indica que a Irmandade Muçulmana encontra dificuldades em arregimentar manifestantes após uma semana excepcionalmente violenta e da prisão de quase todos os mais graduados líderes do grupo, dentre eles seu líder espiritual, Mohammed Badie.

As autoridades também impuseram um rigoroso toque de recolher durante a madrugada na última semana no Cairo e em outras províncias, o que deixou as ruas vazias ao cair da noite. Fonte: Associated Press.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso