X

Diário da Região

26/05/2015 - 16h48min

São Paulo

Prefeitura de São Paulo quer demitir servidor que não explicar enriquecimento

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo quer passar a demitir funcionários que não conseguirem explicar a evolução patrimonial ou que não seguirem as regras de Código de Ética que será criado pela administração municipal. As novas determinações fazem parte de um pacote anticorrupção anunciado nesta terça-feira, 26, pelo prefeito Fernando Haddad (PT). O prefeito informou que enviará nesta terça-feira, 26, à Câmara Municipal projeto de lei que altera o Estatuto do Servidor para permitir, entre outras coisas, a demissão de servidores que tiverem enriquecimento ilícito, mesmo que não fique comprovada relação da evolução patrimonial com atuação irregular na administração municipal. "Independentemente de ser comprovado o vínculo entre um ato de corrupção e o enriquecimento. Mesmo não havendo essa conexão demonstrada, não cabe no serviço público um servidor que não consegue explicar sua evolução patrimonial", disse Haddad. Sistema criado pela Controladoria Geral do Município (CGM) no ano passado obriga os 160 mil funcionários da Prefeitura a declararem todos os bens. Além do projeto de lei, a Prefeitura publica nesta quarta-feira, 27, no Diário Oficial da Cidade, decreto que cria um Código de Ética para os servidores municipais. Entre os deveres dos servidores previstos no documento estão "denunciar às autoridades competentes a existência de pressões de superiores ou contratantes que busquem favores, benesses ou vantagens decorrentes de ações ilegais, imorais ou antiéticas". Prevê ainda a proibição do recebimento de brindes com valor acima de R$ 100. O código ainda proíbe os servidores de prestarem serviços a pessoas ou empresas que tenham interesses em negócios da Prefeitura ou vazarem informações sigilosas. "O código de ética vai para além da ilegalidade, ele atua no campo da moralidade", afirmou o prefeito. Os servidores municipais ficam proibidos ainda de utilizar viagens de trabalho para a participação em eventos político-eleitorais. Todas as mudanças valem também para prefeito, vice-prefeito e secretários. Balanço No evento de anúncio do pacote anticorrupção, que marca os dois anos da criação da CGM, o prefeito apresentou ainda um balanço das ações do órgão no combate a irregularidades. De acordo com dados da Prefeitura, por meio de investigações da Controladoria, a administração conseguiu garantir a recuperação de R$ 270 milhões desviados dos cofres municipais. Desse montante, cerca de R$ 100 milhões já foram devolvidos e incorporados de volta como receita. Fazem parte desse valor os recursos recuperados do esquema da máfia do ISS (R$ 190 milhões) e de auditorias feitas pela CGM nas secretarias (R$ 80 milhões).

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso