X
X

Diário da Região

20/12/2015 - 12h33min

São Paulo

Paulista vira camelódromo com artesãos

São Paulo

A aglomeração de ambulantes na Avenida Paulista transformou um dos principais cartões-postais da capital em centro de comércio popular. Tomadas por músicos e bandas nos fins de semana, as calçadas agora são disputadas em dias úteis por artesãos. Contagem feita pelo jornal O Estado de S.Paulo mostra que a via tem quatro vezes mais vendedores do que permite a Prefeitura - são até 235 artesãos da Praça Osvaldo Cruz à do Ciclista, enquanto o limite é de 50. A reportagem percorreu a via às 14 horas de sexta-feira. Desde o ano passado, com a Lei dos Artistas de Rua, de autoria da gestão Fernando Haddad (PT), os artesãos formam uma categoria regulamentada pela Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sucato). O comércio é autorizado para ambulantes que produzem seus próprios artigos. Para quem não vende artesanato, a via não tem nenhum termo de permissão de uso (TPU) expedido - documento obrigatório para o comércio informal. A proliferação recente de artesãos na região, com barraquinhas e mostruários espalhados pelo chão, é sentida por quem já atua na Paulista há mais tempo. "São uns 300 hoje, não? A Paulista é onde a cidade acontece", diz a artesã Tereza de Jesus Neves, de 65 anos, que vende pulseiras, colares e anéis feitos à mão na via faz um ano. A percepção de Tereza é confirmada pela história de Roseli Oliveira, de 46 anos. Vendedora de bonecos de biscuit, ela pediu demissão da empresa onde ficou por 15 anos para trabalhar por conta própria. Roseli começou a vender na via há duas semanas. Todo dia, ela sai de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. "Aqui o público é diferente. Conseguimos vender mais", afirma. Na Avenida Paulista há seis meses, a psicóloga Camila Almeida, de 40 anos, vende cartazes temáticos na esquina com a Rua Professor Otávio Mendes, ao lado do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Seu principal público são os turistas. "A Paulista é o lugar onde as pessoas vêm passear. Todo lugar que você vai no mundo encontra uma grande avenida que vende artesanato local. Esse pessoal (artesãos ambulantes) não tem dinheiro para pagar aluguel", diz. Degradação Para Lúcio Gomes Machado, arquiteto e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade de São Paulo (USP), a Paulista está "degradada". Ele diz que a concentração de artistas e vendedores exige mais "cuidado" com a via. "O lazer da população tem de ser distribuído entre os parques. Não se pode concentrar tudo só na Avenida Paulista. Com tanta coisa acontecendo ali, estamos engarrafando e acabando com a avenida, assim como aconteceu com a Praça da República e a Praça da Sé", afirma Machado. Em nota, a Prefeitura informa que agentes da Subprefeitura da Sé fiscalizam a via diariamente. Para evitar a degradação denunciada pelo urbanista, a gestão Haddad afirma também que vai pintar números de 1 a 50 nas guias, nos canteiros e nas calçadas para sinalizar os locais, em ambos os sentidos, onde o artesanato é permitido. Na frente do Shopping Center 3, por exemplo, serão cinco profissionais. A intenção é evitar "engarrafamento" de pedestres. O lugar com a maior concentração de vendedores será diante do Casarão da Família Franco de Mello e do Parque Mário Covas: no máximo, oito. Com a numeração, a Prefeitura torna obrigatório o uso de tripés desmontáveis de 1,50 metro de largura por 0,70 m de comprimento. O limite de artesãos foi estabelecido pela Subprefeitura da Sé em janeiro, mas entra em vigor somente agora. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso