X
X

Diário da Região

18/12/2015 - 08h40min

Pequim

Na China, Pequim emite segundo alerta de poluição do ar neste mês

Pequim

A capital chinesa, Pequim, emitiu o segundo alerta de poluição aérea neste mês nesta sexta-feira. Com isso, são impostas restrições à circulação de veículos e escolas são fechadas. Uma nuvem de poluição deve ficar sobre a cidade de 22,5 milhões do sábado até a terça-feira. Os níveis do chamado material particulado 2.5 (PM2.5), os menores e mais mortíferos na atmosfera, devem superar 500, segundo o site oficial do governo de Pequim. Isso é mais de 20 vezes o nível considerado seguro pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Metade dos carros da cidade serão forçados a deixar as ruas a cada dia, enquanto as churrasqueiras e outras fontes de fumaça estarão proibidas e a produção nas fábricas será restrita. As escolas fecharão e moradores são aconselhados a evitar atividades ao ar livre. Na tarde de sexta-feira, o ar estava relativamente bom, com a leitura de PM2.5 em cerca de 80 e o sol brilhando sobre a cidade. A visibilidade em algumas partes de Pequim, porém, recuará para menos de 500 metros na terça-feira, quando a nuvem de poluição atingir seu pico, informou o site do governo municipal. A quase total falta de vento contribuirá para manter os poluentes na cidade, disse a administração. Os alertas vermelhos para a poluição do ar são emitidos quando os níveis de PM2.5 ficam acima de 300 por mais de 72 horas. Na semana passada, houve acusações de que o governo ignora algumas nuvens de fumaça graves, para evitar o impacto econômico das restrições. Alguns moradores desafiavam as restrições à circulação de veículos e reclamavam de ter que ficar em casa para cuidar das crianças. Outros aproveitaram a pausa nas aulas para viajar a locais onde o ar estava melhor. Alguns estudos científicos atribuem 1,4 milhão de mortes prematuras por ano à poluição no ar da China, ou quase 4 mil ao dia. Maior emissor de carbono do mundo, o país pretende reduzir as emissões perigosas de suas usinas de energia a carvão em 50% ao longo dos próximos cinco anos. A China ainda depende do carvão para mais de 60% de sua eletricidade, mas trabalha para mudar a matriz e acrescentar a ela mais energia nuclear, solar e eólica. Fonte: Associated Press.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso