X
X

Diário da Região

26/01/2016 - 10h32min

Taubaté

Mulheres preparam 'apitaço' contra o assédio em Paraitinga

Taubaté

Quem tiver como destino neste carnaval a folia na cidade paulista de São Luiz do Paraitinga ouvirá, além do som das marchinhas, o barulho de apitos. Isso sempre que alguma mulher estiver sendo assediada. A campanha começou nas redes sociais, foi testada no festival de marchinhas e deverá tomar conta do centro histórico no próximo mês. A iniciativa é liderada pela cantora Lia Marques, do Grupo Paranga, depois de ouvir pela janela de casa um grupo de jovens intimidando uma garota que andava sozinha pelo centro histórico no primeiro dia do festival de marchinhas. "Eles diziam 'você não tem medo de ir embora sozinha?'. Não consegui ver o rosto deles, mas fiquei indignada pela intimidação." O relato de Lia foi parar nas redes sociais e motivou diversos comentários de pessoas revoltadas, além de compartilhamentos, o que incentivou a jovem a criar a campanha, ao lado de duas amigas. A sistemática é simples: sugere-se que toda mulher que for a São Luiz do Paraitinga no carnaval leve um apito e, se sofrer algum tipo de assédio, deverá apitar para chamar a atenção das pessoas para a intimidação. O "apitaço" poderá ajudar na segurança dos foliões, graças ao apoio da Polícia Militar. No último fim de semana, a cidade fez a final do festival de marchinhas. "Tivemos relatos de meninas que estavam em situação de assédio, apitaram, mas nem precisaram esperar as meninas em volta chegarem... O cara já fugiu", comemora a líder do movimento. De acordo com o grupo, comerciantes da cidade também gostaram do projeto e estão doando dinheiro para a compra de apitos, que conta também com uma arrecadação de dinheiro pela internet para a compra das peças. A expectativa é de que pelo menos 80 mil apitos sejam distribuídos nos cinco dias de folia. A cidade chega a contabilizar mais de 180 mil pessoas neste período, número que deve se repetir neste ano. E quem frequenta a folia na cidade também aprovou a ideia. "A cultura machista faz com que meninos e homens tenham de ser insistentes e inconvenientes em suas cantadas", observa a filósofa Cristiane Cobra, que há 15 anos curte as marchinhas em São Luiz do Paraitinga. "Passar o carnaval aqui e não ser assediada é quase impossível", reclama a médica luizense Glenda Oliveira. Hashtag "Quem sabe a ideia vá para o carnaval de outras cidades e consigamos acabar com esse machismo e curtir o carnaval numa boa", diz Lia Marques. O grupo "Apito Contra o Assédio" pretende reunir relatos de assédio no carnaval com a hashtag #ApitoContraOAssedio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso