X
X

Diário da Região

30/09/2015 - 19h54min

Brasília

Ministério da Saúde anuncia parceria para produção de medicamentos

Brasília

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta, 30, a aprovação de nove Parcerias para Desenvolvimento Produtivo (PDPs) para oito medicamentos e um aparelho indicado a pessoas com deficiência auditiva. Os remédios aprovados são para tratamento de artrite, doenças autoimunes, câncer e hormônio do crescimento. Quando a produção estiver em curso, os remédios e equipamentos passarão a ser usados no Sistema Único de Saúde (SUS). Além da aprovação de nove propostas, o governo anunciou os resultados de pedidos de readequação de contratos antigos, firmados antes de 2014. Do total analisado, 13 parcerias foram extintas, 7 aprovadas e três reprovadas. Ao todo, são 98 contratos antigos que passam por uma reavaliação. Todos os contratos assinados antes de 2014 precisam se submeter a novas regras estabelecidas pelo Ministério da Saúde a partir de sugestões feitas por órgãos de controle. As PDPs começaram no Brasil em 2007. Nos acordos, laboratórios públicos e privados se unem para produzir medicamentos e equipamentos considerados estratégicos para o Sistema Único de Saúde. Desde então, 104 parcerias foram firmadas. Os critérios para escolha, no entanto, nunca foram claros. No formato que passou a vigorar depois da reforma, o governo federal publica anualmente (até o mês de dezembro) uma lista atualizada de produtos, equipamentos e vacinas considerados estratégicos pelo governo. Laboratórios públicos e particulares podem apresentar propostas de parcerias para desenvolvimento dos produtos integrantes dessa lista até abril. Terminada essa etapa, o governo pode decidir se aprova ou não o projeto até o fim do ano. Entre os critérios para escolha estão preço e prazo para transferência de tecnologia. As mudanças nas regras das PDPs começaram a ser discutidas no governo depois do escândalo do Laboratório Labogen. Escutas telefônicas e mensagens eletrônicas interceptadas pela Polícia Federal indicavam favorecimento do laboratório numa disputa para PDP voltada para a produção de um medicamento contra hipertensão pulmonar. As investigações sugeriam que o então deputado federal André Vargas teria intermediado o contato da empresa - que não apresentava condições necessárias para produzir o medicamento, mesmo em parceria - com o ministério. Depois das denúncias, o acordo para PDP foi desfeito e uma sindicância interna foi realizada no Ministério da Saúde. Apesar de favorecimentos não terem sido identificados pela equipe da pasta, uma série de fragilidades foram apontadas e mudanças no formato das PDPs foram sugeridas.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso