X

Diário da Região

19/06/2015 - 10h22min

Rio de Janeiro

Mais veículos e uso de térmicas eleva poluição em SP, aponta IBGE

Rio de Janeiro

A maior circulação de veículos em São Paulo e o acionamento de usinas termelétricas para abastecer o País com energia elevou a concentração de poluentes na capital paulista entre 2011 e 2012. A emissão de ozônio, oriunda da queima de combustíveis fósseis e um dos gases mais críticos para a poluição atmosférica, avançou exponencialmente. Em 2012, o limite estabelecido para a emissão do gás foi ultrapassado 576 vezes (uma média de duas vezes a cada três dias), segundo o levantamento Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS) 2015, divulgado sexta-feira, 19, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2012, a geração de energia por meio de usinas térmicas convencionais no subsistema Sudeste/Centro-Oeste mais que dobrou em relação ao ano anterior, segundo dados do Operador Nacional do Sistema (ONS). Isso porque a falta de chuvas dificultou a geração de energia a partir usinas hidrelétricas, uma das principais fontes renováveis empregadas no País. Nos últimos anos, o estresse climático mais frequente fez até com que as fontes renováveis perdessem espaço no cenário energético brasileiro. Por outro lado, o acionamento das térmicas foi mais recorrente, diante da contínua alta do consumo e das dificuldades hidrológicas enfrentadas principalmente pela região Sudeste. Como as usinas térmicas funcionam a partir da queima de gás natural ou de óleo diesel (ambos combustíveis fósseis), o maior uso contribuiu para o aumento da poluição, segundo o IBGE. A explicação principal para o aumento no número de violações na emissão de ozônio, porém, é o maior número de carros nas ruas paulistanas, de acordo com a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), que forneceu os dados ao instituto. "Houve aumento da frota de veículos, mas a (geração de) energia termelétrica emite ozônio", frisa Júlio Jorge Gonçalves da Costa, pesquisador da Coordenação de Recursos Naturais do IBGE. A tendência de alta nas violações em São Paulo começou em 2009, quando o índice saltou de 146 para 201 e não parou de subir. Nas demais capitais pesquisadas, o volume de ozônio emitido sequer ultrapassou o limite, ou o número de violações foi baixo ou diminuiu em relação ao ano anterior. Em Belo Horizonte, a emissão de ozônio ultrapassou o permitido 65 vezes em 2011 (último dado disponível), contra 115 no ano anterior. Em Curitiba, houve apenas uma violação em 2011, enquanto Porto Alegre registrou três vezes emissões acima do limite em 2010 (também o último dado disponível). Nas regiões metropolitanas de Salvador e Vitória, não há registros de violações na emissão de ozônio em pelo menos uma década. Qualidade das águas A qualidade dos rios que atravessam grandes áreas urbanas ou são utilizados para abastecimento da população ou de indústrias é boa ou ótima em 76,9% dos 342 pontos monitorados entre 2011 e 2012, segundo o levantamento do IBGE. A região metropolitana de São Paulo, porém, reúne diversos pontos onde a qualidade da água é classificada como péssima. No Estado, o rio apontado no levantamento foi o Tietê, incluindo a região do Alto Tietê, represas Guarapiranga e Billings. "São áreas em que há um volume grande de edificações. Então, isso se deve às grandes aglomerações urbanas e também a questões de tratamento de esgoto", explica Rodrigo da Silveira Pereira, gerente substituto de Estudos Ambientais do IBGE.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso