X

Diário da Região

23/06/2015 - 19h34min

Rio

Exército remove moradores de aldeia centenária em área militar em Niterói

Rio

Soldados do Exército iniciaram nesta terça-feira, 23, a remoção forçada de moradores e a demolição de casas em uma aldeia centenária na área dos fortes militares litorâneos de Jurujuba, em Niterói, na região metropolitana do Rio. Cerca de 40 famílias de caiçaras vivem no local, entre eles descendentes de Flora Simas de Carvalho, que bordou a primeira bandeira nacional, em 1889. Militares impediram jornalistas, parlamentares e advogados de entrar na vila da praia do Imbuhy durante a reintegração de posse. O processo foi iniciado em 1995 pela Advocacia Geral da União (AGU). Em decisão de 27 de abril, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve determinação do Tribunal Regional Federal (TRF) que obrigava os moradores a desocupar a área. Quatro oficiais de Justiça chegaram pela manhã com a ordem de despejo contra três das 32 casas. Soldados davam cobertura à ação com retroescavadeiras, lanchas e caminhões. Com a remoção dessas famílias, militares deram início à demolição da aldeia, segundo o relato de moradores, apesar de o conjunto arquitetônico, paisagístico, histórico e etnográfico ser tombado por lei municipal. Aílton Navega, de 65 anos, disse que não houve possibilidade de diálogo e afirmou que nada foi oferecido às famílias despejadas. "Montaram uma operação de guerra com centenas de homens armados de fuzil. Já botaram duas casas no chão. Está difícil de continuar a viver", disse ele no início da tarde. A mãe e o pai de Navega, com 89 e 96 anos, são os moradores mais antigos da vila. Segundo ele, um colega que tentou resistir à remoção foi detido por militares e liberado em seguida. Em nota, o Exército afirmou que "cumpre o que é determinado em sentença judicial", "após os moradores não respeitarem, de forma voluntária, o prazo de saída estipulado pela Justiça". Sobre a situação das famílias despejadas, alegou que "estudos e tratativas para uma possível realocação desses moradores não foram levadas adiante, já que parte significativa não concordou nem com os termos apresentados nem em receber terrenos em outro local". O deputado estadual Waldeck Carneiro (PT) disse que foi estipulado prazo de 90 dias para que as outras 29 famílias deixem o local. "Há uma decisão judicial, mas as famílias que tiveram suas casas demolidas não foram informadas de que a ação ocorreria hoje. Além disso, o grande aparato militar é completamente desproporcional e questionável", afirmou o deputado. "A ação foi arbitrária. Fui impedido de realizar o meu trabalho. Vamos tentar uma solução no plano jurídico ou político." Segundo o petista, audiência realizada com o ministro da Defesa, Jaques Wagner, do PT, não teve resultado. Autor da lei que tombou a aldeia este ano, o vereador Leonardo Giordano (PT) classificou a ação militar de "vergonhosa". "Jogaram as pessoas na rua sem indenizaç
  • Nacional
  • Rio Preto e região
  • Economize
  • Empregos
  • Cuide bem do seu dinheiro
  • ESPORTES
  • CULTURA