X
X

Diário da Região

14/01/2016 - 08h35min

São Paulo

Estado e Prefeitura querem liminar para cobrar trajeto

São Paulo

Em conversa telefônica na manhã de quarta-feira, 13, o prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiram trabalhar para que o Ministério Público Estadual (MPE) faça a intermediação entre o Passe Livre (MPL) e a Polícia Militar para evitar confrontos. Na Prefeitura, há expectativa de que promotores peçam à Justiça uma liminar obrigando o MPL a informar o trajeto de futuras manifestações. A liminar serviria para justificar ações da Polícia Militar para impedir a realização de atos sem aviso prévio do trajeto. No entendimento da Prefeitura, a definição prévia poderia fazer com que os PMs acompanhassem os protestos a uma distância maior, evitando ataques violentos como os ocorridos na Avenida Paulista. Pessoalmente, Haddad espera que o MPE se posicione sobre qual interpretação da lei está correta: se é a do MPL, que acha que deve informar por onde passará sua passeata apenas após decidir o trajeto, já na manifestação, ou se a da Secretaria de Estado da Segurança Pública, que quer que as manifestações sejam informadas com tempo hábil para que as autoridades possam reorganizar o trânsito. A pauta da reunião marcada para hoje pelo Ministério Público é justamente discutir "o direito à livre manifestação". Na conversa, Alckmin concordou com Haddad sobre a necessidade de ação do MPE no caso. O governador destacou o secretário Alexandre de Moraes, promotor de Justiça de carreira, para intermediar o contato com a procuradoria. Haddad também destacou um promotor de seus quadros, o controlador-geral do Município, Roberto Porto. Resistência A militante do MPE Luíze Tavares, escalada como um dos porta-vozes do grupo, disse na noite de quarta-feira que o movimento ainda discutia a possibilidade de participar da reunião, mas que havia resistência por parte dos militantes. "Não é uma prática do MPL sentar em uma sala fechada com instituições de governo. A possibilidade é se for uma reunião pública, na rua, em que todos podem participar", afirmou. Ela disse que os manifestantes ainda não descartaram a possibilidade de informar previamente à polícia o trajeto do protesto marcado para esta quarta. "Não é uma prática nossa, nunca fizemos isso até por uma questão de segurança para quem participa do ato, já que a polícia pode preparar emboscadas, como fez na Rua da Consolação (dia 12). Mas isso ainda não está totalmente definido", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso