X
X

Diário da Região

18/02/2015 - 10h30min

São Paulo

Clarinestista Louis Sclavis explora novos modelos decomposição em novo álbum

São Paulo


O clarinetista francês Louis Sclavis é um dos mais inquietos e criativos músicos da cena improvisada internacional. Aos 62 anos, é um virtuose reconhecido do clarone, o mais grave instrumento da família dos clarinetes. Combina sólida formação clássica com muita experiência no jazz convencional e, sobretudo, nos movimentos mais radicais de experimentação. Nos últimos vinte anos, decolou para aventuras que não admitem rótulos. Fez, por exemplo, tributos a Rameau, o grande compositor francês do século 18; ao pintor Ernest Pignon-Ernest; e ao diretor de cinema mudo Charles Vanel, entre outros.

Grava para a ECM há muitos anos, é um dos músicos preferidos do produtor Manfred Eicher. Com seu grupo atual, que chamou sintomaticamente de Trio Atlas, deixa-se levar pelas disposições musicais de seus parceiros, a fim de explorar novos modelos de composição. A originalidade já começa pela instrumentação: o guitarrista Gilles Coronado e o pianista Benjamin Moussay. Agora, o trio vira quarteto com a chegada do percussionista iraniano Kevyan Chemirani. Chemirani é um virtuose do zarb ou tombabk, instrumento milenar tradicional iraniano.

Em Silk and Salt Melodies (ECM, download por 10,99 em iTunes), este quarteto de exceção parte muitas vezes de ritmos iranianos para viagens musicais inesperadas. Como diz Louis Sclavis, a música contemporânea aventureira pode e deve navegar por diferentes tradições musicais, de um ou outro jeito complementares entre si: "Meu desejo foi fazer uma rota imaginária, nômade, pela Ásia Central. Quero ainda evocar a ideia da emigração na história do mundo". As saborosas e inventivas viagens sonoras do grupo ora se afastam muito, ora retornam ao universo do jazz. O CD foi gravado no Estúdio La Buissonne, perto da cidade francesa de Avignon, em março do ano passado.

Os títulos brincam com a geografia (Lhomme Sud), natureza (LAutre Rive, Sel et Soie) e mergulham na contagiante Dance for Horses. Uma interação notável, onde as diferenças sobressaem nos solos complexos porém sempre emocionantes de Sclavis, vibrantes e diretos de Coronado, tudo regado pela percussão minimalista de Chemirani.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso