X

Diário da Região

01/05/2015 - 13h54min

Katmandu

Cerca de mil europeus no Nepal não contataram a embaixada

Katmandu

Por volta 1 mil europeus no Nepal ainda não chegaram em suas embaixadas desde o forte terremoto que atingiu o país asiático no final de semana, que causou mais de 6,2 mil mortes, segundo a União Europeia. O embaixador da UE para o Nepal, Rensje Teerink, disse que "obviamente isso não significa que eles estão mortos, apenas indica que eles não deram um retorno". A maioria das pessoas não contabilizadas eram turistas e aventureiros e é praticamente impossível manter o controle porque muitos não se registram em suas embaixadas. Enquanto países ao redor do mundo tentam localizar seus cidadãos que estavam na região no momento do terremoto, voluntários humanitários seguem buscando sobreviventes e tentando ajudar os desabrigados. Líderes nepaleses e estrangeiros também trabalham para levar ajuda aos necessitados, mas a escala da devastação desafia qualquer governo, segundo a chefe humanitária da ONU, Valerie Amos. Após realizar uma visita aérea nesta sexta-feira a algumas das aldeias isoladas do Himalaia, Valerie disse que os trabalhadores humanitários enfrentam "imensos desafios logísticos" tentando conseguir ajuda especialmente para as aldeias montanhosas onde os helicópteros não conseguem pousar e algumas estradas foram destruídas. "É claro que estamos preocupados que está levando muito tempo para chegar às pessoas que precisam desesperadamente de ajuda. Algumas dessas aldeias estão praticamente destruídas. Mas é muito, muito difícil ver como nós vamos chegar a eles", afirmou. Ao analisar as localidades mais atingidas pelo terremoto, a Organização Mundial de Saúde informou que encontrou alguns hospitais danificados ou destruídos, mas a maioria está lidando bem sem pessoal extra ou o número necessário de leitos. No entanto, destacou que eles têm necessidade de medicamentos essenciais, equipamentos e materiais. Por outro lado, o governo nepalês renovou seu apelo por doações de tendas e lonas para abrigos temporários, assim como grãos, sal e açúcar. O governo também pediu dinheiro para ajudar com os esforços de ajuda, caso os doadores não possam enviar imediatamente os artigos que são imediatamente necessários depois do terremoto do último final de semana. "Recebemos coisas como atum e maionese, mas precisamos de grãos, sal e açúcar", disse o ministro das Finanças, Ram Sharan Mahat. De acordo com ele, o governo decidiu isentar de impostos as tendas e lonas. Segundo o governo, o Nepal precisaria de 400 mil tendas e até agora só tem sido capaz de fornecer 29 mil. Fonte: Associated Press

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso