X
X

Diário da Região

04/03/2015 - 06h00min

São Paulo

CCBB abre retrospectiva sobre Jerry Lewis

São Paulo


Críticos tradicionais sempre disseram que, com um bom roteiro e um mínimo de savoir-faire, é possível fazer um bom western, um thriller eficiente. Para acertar na comédia, é preciso muito mais. Timing, maleabilidade física e, se o humor é verbal, diálogos bem escritos, cuspidos taco-no-taco. No CCBB, começa nesta quarta-feira, 4, a retrospectiva de Jerry Lewis - O Rei da Comédia -, que pode não trazer todo o autor, mas oferece uma seleção atraente do melhor que ele fez como ator e/ou diretor. Nesta quinta, 5, tem mais humor, e na Praça da Unidade do Sesc/Pinheiros, começa outra seleção dedicada a Mel Brooks.

Durante todas as quintas-feiras do mês, nos dias 5, 12, 19 e 26, serão exibidos quatro clássicos do ator e diretor, integrando o projeto Comediantes Como os de Antes, que tem como objetivo resgatar realizações de grandes artistas que marcaram a história do cinema. A programação começa com Banzé no Oeste e prossegue, pela ordem, com Primavera para Hitler, O Jovem Frankenstein e A Última Loucura de Mel Brooks. De Mel Brooks pode-se dizer o mesmo que de Leonard Nimoy, que morreu na semana passada. É único e é múltiplo. Nascido Melvin Kaminsky numa família judaica de New York, em 1926 - tem 88 anos -, é ator, diretor, produtor, roteirista, compositor e letrista.

No começo, escrevia para Sid Caesar no show Broadway Review - foram dez anos de colaboração. Estabeleceram sua reputação como humorista feroz, não raro demolidor. E veio nova parceria - com Buck Henry, com quem escreveu e produziu a série Agente 86, que transformou Don Adams, graças ao personagem Maxwell Smart, num mito da época. Sua estreia no cinema foi com o curta The Critic, que lhe valeu um prêmio da Academia. Em 1968, fez o primeiro longa, The Producers, que venceu o Oscar de roteiro. Lançado no Brasil anos mais tarde, com o título de Primavera para Hitler, o filme foi montado como musical na Broadway, em 2000 - e ganhou nova versão para cinema em 2003, com Nathan Lane e Matthew Broderick.

No original, Zero Mostel é o produtor que propõe um negócio escuso para Gene Wilder. A ideia é levantar dinheiro para o pior show do mundo, vendendo antecipadamente os ingressos. De posse da bolada, Mostel espera voar para o Rio e desfrutar da dinheirama, mas ocorre o improvável - o show estoura, vira fenômeno de público. Conta a lenda que Mel Brooks se inspirou no lendário Pandemônio, de H.C. Potter, de 1941, criando números insanos como Springtime for Hitler. A ideia era causar - um judeu celebrando o super-homem nazista -, numa época, os transformadores anos 1960, em que os comportamentos estavam mudando e tudo parecia permitido.

Nos anos e filmes seguintes, Mel Brooks perfeccionou sua especialidade - a paródia (o pastiche?) de gêneros clássicos, cujos clichês assume e leva ao limite, como forma de potencializar o humor. Foi assim que, em, 1974, e cercado pelo mesmo elenco - Gene Wilder, Marty Feldman, etc. -, logrou dois de seus melhores filmes. Satirizando os códigos de western, fez Banzé no Oeste, e os de terror, O Jovem Frankenstein. Em A Última Loucura de Mel Brooks, voltou ao velho burlesco, homenageando/recriando o cinema mudo. Seu humor é muitas vezes fácil, grosseiro - e sempre eficiente. Em 1964, casou-se com Anne Bancroft.
Permaneceram juntos até a morte dela, em 2005, mais de 40 anos depois. Seu estilo de humor judaico/nova-iorquino difere do de Woody Allen, mas ambos foram (são) os grandes dessa tendência. Produziu obras de grandes diretores, como O Homem Elefante, de David Lynch, e A Mosca, de David Cronenberg. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso