X
X

Diário da Região

10/11/2014 - 15h47min

São Paulo

Cariacica vive 'efeito Paul McCartney'

São Paulo


Capixaba nenhum, ou quase nenhum, acreditou que era verdade. Paul McCartney, o próprio, não um sósia, estava confirmado para uma apresentação no Estádio Kleber Andrade, em Cariacica, Grande Vitória. O primeiro show de proporções monumentais na história do estado será nesta segunda, 10. Mesmo com a notícia oficial, o ceticismo vencia a esperança. "As pessoas não acreditavam", diz Edu Henning, diretor de operações na produção brasileira do beatle. Ele mesmo, um beatlômano em estágio avançado, tremeu.

A porta de entrada da nova turnê de Paul é Cariacica, a quase 30 minutos da capital do Espírito Santo. Como faz dias antes de chegar às cidades, Paul mandou um vídeo falando em gíria local. "Esse show vai pocar". Um termo que equivale ao bombar do paulista. Ele segue depois para o Rio (HSBC Arena, dia 12), Brasília (Estádio Nacional, dia 23), e São Paulo (Palestra Itália, dias 25 e 26). A turnê 'Out There' é a terceira seguida em menos de três anos que desembarca no Brasil. Vieram antes 'Up And Coming Tour', em 2011, e 'Band on The Run', de 2012.

Na prática, Paul chega com quatro novas vértebras em um mesmo esqueleto. Save Us, New, Queenie Eye e Everybody Out There são do álbum mais recente New, de 2013. Muitos fãs devem torcer pela acústica Early Days, a balada do velho Paul de Blackbird e Ill Follow the Sun, algo que não está previsto no repertório.

O bloco final e demolidor segue no mesmo espírito. É o segundo bis, quando ele volta para 'Yesterday', 'Helter Skelter', 'Golden Slumbers', 'Carry That Weight' e 'The End'. Até o baterista, o gigante Abe Laboriel Jr, chegou a sair do palco chorando depois de sofrer o impacto da sequência.

Edu Henning personifica a alma de uma cidade que verá Paul pela primeira vez. Quando foi convidado para dirigir a produção da perna capixaba da turnê, ele conta que dirigia 23 rádios e seis emissoras de TV locais. Como cuidar de Paul exigia trabalho exclusivo, pediu demissão nos empregos. "O bonde só passa uma vez", diz.

O sonho de estar perto de Paul, algo que sua condição de jornalista já havia proporcionado, é precedido por uma realidade de carregador de piano. "Matamos um leão por dia e derrubamos um elefante à tarde". As frases dos e-mails que chegam em sua tela terminam sempre com uma das três frases: "urgente", "urgentíssimo" e "se não for assim, não vai ter show".

Quando desbrava uma terra nova, Paul sabe que a coloca no mundo, mas talvez não tenha conhecimento do terremoto que provoca. Uma praça que nunca recebeu uma atração deste porte tateia pela melhor logística. Segurança pública e mobilidade urbana, além das estruturas de um estádio reformado que estava previsto para ser reinaugurado em sua capacidade total em dezembro, foram tratados em quase uma dezena de reuniões com todos os seguimentos dos poderes públicos. "O nome Paul McCartney ajuda, abre portas, mas tivemos de fazer tudo em um curtíssimo tempo. E conseguimos", diz Henning. Apesar de a capacidade estar em 39 mil pessoas, a produção resolveu trabalhar com a lotação de 35 mil.
Entre nove e onze mil serão fãs de outros estados. Até quinta-feira, ainda havia ingressos à venda.

E então chegou a lista de exigências de Paul. Uma delas, um piano no quarto do hotel. "Acho que ele vai compor algo aqui na minha cidade", fala o produtor de 53 anos com a euforia de um garoto de 12. Outra, algo com o qual Henning jamais se deparou em outras produções: a presença de 20 pessoas portadoras de deficiência visual na plateia, devidamente acompanhadas por familiares ou amigos que pudessem dizer a elas tudo o que acontece no palco. "E, a pedido de Paul, tínhamos de pensar em tudo para elas, desde o transporte até a acessibilidade". Nenhum dos vinte convidados, assim como seus acompanhantes, vai gastar um centavo.

Edu Henning tem como patrão o mesmo homem que deu sentido à sua vida. Desde 1978, ele comanda o programa de rádio 'Clube Big Beatles', algo tão forte na região que rendeu a criação de uma banda com o mesmo nome. Por suas contas, o Big Beatles, em 25 anos de estrada, já fez 55 shows na casa Cavern Club de Londres (a mesma onde os ingleses começaram) e 250 apresentações em festivais de Liverpool. Shows de Paul ele já viu 16 e chegou a levar o baterista Pete Best, o primeiro do grupo, anterior a Ringo Starr, para tocar em Vitória. Na banda de cinco integrantes, em vez dos quatro originais, ele toca gaita, percussão e canta. "Somos em cinco porque é impossível fazer o que eles faziam com quatro".

Depois que o último caminhão partir de Vitória levando as ferragens de Paul para o Rio, Henning primeiro vai suspirar. "Vou sentir que cumpri a missão". Depois, cairá das nuvens. "Não sei onde vou trabalhar, depois eu penso nisso". E, entre uma coisa e outra, quer rever uma das poucas pessoas que ama mais do que Paul McCartney. "Vou passar uma semana abraçado à minha filhinha. Daqui a pouco ela pergunta pra mãe se eu sou a Yoko Ono".

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso