X
X

Diário da Região

31/08/2015 - 08h00min

São Paulo

Campus da USP terá limites para esportistas

São Paulo

A Universidade de São Paulo (USP) vai limitar em 50 o número de assessorias esportivas que levam alunos para exercícios ou treinos no câmpus aos sábados, quando são reunidos cerca de 8 mil esportistas. Atualmente, entre 70 e 100 empresas atuam na Cidade Universitária nesse dia, segundo estimativas das próprias assessorias. A universidade também deve cobrar taxas e exigir outras contrapartidas, como a oferta de estágio para estudantes. Pelo novo modelo, as assessorias esportivas deverão ser aprovadas em edital público, em elaboração pela universidade, e terão responsabilidades, como a de recolher os resíduos gerados. Outro edital será lançado para contratar uma empresa para operar o sistema de controle da prática de esportes. A entidade selecionada ficará responsável pela logística, como banheiros e sinalizações. Aos esportistas independentes não haverá necessidade de cadastro. Pela proposta, haverá divisão de um lado do câmpus para ciclistas e outro para corrida e caminhada. Entre novembro de 2014 e março deste ano, a USP fez quatro testes para elaborar o novo modelo. Um dos fatos que desencadeou a discussão foi o atropelamento e a morte, em agosto do ano passado, de um corredor na Cidade Universitária. Outras quatro pessoas foram atingidas pelo carro, dirigido por um motorista embriagado. O caso motivou protestos de atletas por mais segurança. Presidente da Associação dos Treinadores de Corrida, Nelson Evêncio elogia a proposta. "O espaço é grande e cabe todo mundo. Falta organizar", comenta. De acordo com ele, será importante resolver problemas de estrutura para os esportistas aos sábados. "Os banheiros químicos são insuficientes." A entidade participou das discussões com a prefeitura da USP para mudar as regras. Polêmica Já Eduardo Barbosa, treinador de corrida e ciclismo na Cidade Universitária, desaprova a ideia. "Não vale a pena a cobrança. A USP é pública", critica. "Limitar o uso do espaço vai na contramão de outras cidades, que abriram mais áreas para o transporte público." O câmpus Butantã, defende Barbosa, tem capacidade para mais de 50 assessorias e a presença dos esportistas não prejudica a comunidade universitária. Já o taxista Vilmar Lacerda, de 37 anos, que trabalha na USP há cinco, discorda. "Eles (os atletas) não respeitam ninguém, passam até pelas pessoas na faixa de pedestre." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso