X
X

Diário da Região

10/03/2015 - 07h00min

São Paulo

'Ópera do Malandro', clássico musical de Chico Buarque, estreia em SP

São Paulo


O diretor João Falcão é um artista inquieto - além de ser um apaixonado por temas que envolvam o homem comum e a transcendência pela paixão, ele não se contenta com o material que tem à disposição e parte em busca de complementos que enriquecem o produto final. É o caso de Ópera do Malandro, clássico musical de Chico Buarque, que estreia para convidados na sexta-feira, 13, no Theatro Net SP. As sessões para o público começam no dia seguinte, quando também volta em cartaz Gonzagão - A Lenda, que vai ocupar as matinês do mesmo teatro aos sábados e domingos.

Na montagem, Falcão deu mais forças e complexidades para personagens originalmente secundários, como Barrabás, empregado do malandro que depois muda de lado. O encenador também manteve quase todas as músicas do espetáculo original, montado pela primeira vez em 1978, e ainda acrescentou músicas do disco Malandro, que Chico lançou em 1985, e também da versão para o cinema dirigida por Ruy Guerra, naquele mesmo ano.

Para isso, fez pequenas cirurgias no texto original, invertendo algumas cenas e excluindo outras. "Nem o próprio Chico notou a diferença", diverte-se Falcão. "Havia canções do disco e do filme que ele achava pertencer ao espetáculo original."

O motivo é que muitas músicas, como Teresinha, O Meu Amor e Pedaço de Mim, ganharam vida própria na interpretação de cantores profissionais. "Apenas deixei de fora Hino da Repressão, Desafio do Malandro e Rio 42 porque não se encaixavam, apesar de belas", explica o diretor.

A peça conta a história do casal Fernandes de Duran e Vitória Régia, proprietários de um bordel da Lapa carioca, frequentado por bandidos e policiais e onde a relação entre a lei e o crime é promíscua. Duran e Vitória são os pais de Teresinha, menina delicada que foi enviada para o exterior para que crescesse longe da bandidagem. Ao voltar, porém, Teresinha casa-se com o malandro Max Overseas, sob as bênçãos do inspetor Chaves, o Tigrão. E a mocinha acaba por revelar um inesperado talento para o submundo ao assumir o controle do contrabando.

Outros personagens memoráveis são Lúcia, rival de Teresinha, e o travesti Geni, apaixonado pelo delegado da cidade. "A peça se passa no Rio de Janeiro de 1940, mas seus temas principais ainda são muito atuais", observa Falcão. "Afinal, é ambientada no mundo do crime e do contrabando e mostra como o poder pode modificar o comportamento das pessoas, mesmo das mais idôneas."

Chico inspirou-se na Ópera dos Três Vinténs, escrita em 1928 por Bertolt Brecht e Kurt Weil, que, por sua vez, se inspiraram na Ópera dos Mendigos, de John Gay, lançada em 1728. "Brecht e Chico falam da ambição movida pelo dinheiro, que se transforma em um meio de opressão e provoca a mercantilização dos corpos e a manipulação do povo", comenta o diretor. "E o texto do Chico continua atual pois reflete sobre o contexto social e econômico do Brasil dos anos 1970, quando ele escreveu o musical, e do século 21. Basta ver o segundo ato da peça, marcado por manifestações populares, uma insatisfação geral sobre o rumo da situação."

Falcão acrescentou ainda outra novidade à sua montagem, essa talvez mais polêmica: todos os personagens, especialmente os femininos, são interpretados por homens - a única exceção é Larissa Luz, que faz João Alegre, o narrador, nome que evoca John Gay.

Na verdade, foi um acaso que permitiu tamanha experimentação - depois de dirigir Gonzagão - A Lenda (leia mais abaixo), Falcão queria manter unido aquele grupo de atores que tão bem se entrosara e participara de um espetáculo memorável. "Eram oito homens e apenas uma mulher, na época, Laila Garin, que depois faria Elis - A Musical", conta Andréa Alves, diretora da Sarau, produtora responsável pelos trabalhos dirigidos por Falcão. "João preferiu então manter o grupo, alternando papéis masculinos e femininos entre todos os homens e criando assim um tom brechtiano no espetáculo."

O grupo cresceu com a vinda de outros atores, em destaque Moyseis Marques, que vive Max Overseas. Apesar de nenhuma experiência em atuação, ele conquistou o diretor pelo seu jeito e ginga - qualidades naturais de quem é um dos expoentes dos novos sambistas da Lapa carioca dos anos 2000. Moyseis soma-se, assim, ao grupo de artistas ilustres descobertos por Falcão, fileira formada por Wagner Moura, Vladimir Brichta, Lázaro Ramos e a própria Laila Garin, entre outros.
Incansável, João Falcão prepara-se agora para nova empreitada: reunir os principais personagens criados por Ariano Suassuna em um musical. "Ariano costumava criar tipos que se assemelhavam, por isso, promover o encontro deles, mesmo vindo de obras distintas, não será difícil nem causará estranhamento", acredita. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso