X

Diário da Região

24/07/2014 - 18h16min

Lígia Formenti e Leonencio Nossa

Índice de desigualdade derrubaria posição do País no IDH

Lígia Formenti e Leonencio Nossa


O Brasil perderia 16 posições na classificação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) se fossem consideradas as desigualdades no País. A nota alcançada neste último relatório, que foi de 0,744 cairia para 0,542 - uma média menor do que a apresentada, por exemplo, pela Ucrânia (0,667) e pelo Peru (0,562). O Brasil ocupa a 79ºcolocação no ranking do IDH.

O ajuste pela desigualdade é feito por um indicador criado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em 2010, o IDHD. Essa análise considera, além da média de desenvolvimento, as diferenças nos indicadores de renda, educação e saúde entre a população. Quanto maior a desigualdade, maior o desconto.

O fator que mais contribui para a queda do Brasil no ranking do IDHD é a renda da população. O desconto da nota brasileira é de 39,7% nesse quesito. Em segundo lugar vem o índice de educação, com perda de 24,7%. A menor desigualdade é registrada na área de saúde. Nesse item, a perda provocada no ajuste é de 14,5%.

Assim como ocorreu em anos anteriores, chama atenção o porcentual da perda na nota da renda. Entre os países do bloco de desenvolvimento alto, o Brasil é o terceiro em desigualdade nesta área. O desconto aplicado ao País neste quesito do IDHD só é menor que o do Irã (que teve sua nota reduzida em 46,6%) e a Colômbia (com desconto de 41,5%).

O padrão é observado em todo o bloco de países de desenvolvimento humano muito elevado e de desenvolvimento humano elevado: conjuntamente, a renda é o principal fator de desigualdade, seguido por educação e, por último, a saúde - com algumas exceções.

A Coreia, de desenvolvimento humano muito elevado, apresenta maior desigualdade na área de educação. A diferença de acesso aos serviços nesta área provocou um desconto de 28,1% da nota geral do país. A renda vem em segundo lugar, com desconto de 18,4%. O mesmo acontece com Japão, que tem na educação o maior desconto, de 19,8%.

Integrante com Brasil do grupo dos Brics, a Rússia, também classificada como país de alto desenvolvimento humano, teria um aumento de 3 posições, caso as diferenças fossem avaliadas. O país, que alcançou no IDH a nota 0,778 recebeu no IDHD a nota 0,685. O maior desconto foi no quesito renda. A nota, nessa área, foi reduzida em 22,9%.

Em seguida vem a expectativa de vida. As diferenças apresentadas nessa área levaram o país a ter um desconto de 9,8% na sua nota. Por último, vem educação, com desconto de 2,1%.

Chamam a atenção também os resultados apresentados pelos Estados Unidos. Caso a desigualdade fosse levada em consideração, o país perderia 23 posições no ranking. As diferenças na renda da população são o principal fator para a queda. O desconto da nota é de 35,6% , seguido por educação (6,7%) e expectativa de vida (6,2%).

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso