Diário da Região

04/07/2016 - 17h22min

Brasília

Ministério do Esporte nega relação com empresa acusada de fraudar convênios

Brasília

O Ministério do Esporte afirmou, nesta segunda-feira, que "não tem qualquer relação com a empresa SB Marketing", centro das investigações da Polícia Federal sobre uma suposta fraude em convênios firmados entre a pasta e pelo menos cinco confederações esportivas brasileiras. Essas fraudes, denunciadas no domingo pelo Fantástico, da Rede Globo, podem envolver até R$ 22 milhões. Os desvios teriam ocorrido na compra de materiais e equipamentos. São investigados pelo menos 14 convênios feitos com o Ministério do Esporte desde 2011. A pasta, porém, diz que não tem relação "com os processos licitatórios conduzidos sob responsabilidade das entidades esportivas conveniadas". De acordo com o Fantástico, as entidades e uma quadrilha formada por diversas empresas são investigadas sob suspeita de fraude em licitação, superfaturamento e falsidade ideológica. As confederações que estão na mira são as de Esgrima, Tiro com Arco, Tae Kwon Do e Tiro Esportivo e associações como a Brasileira de Voleibol Paralímpico. Clubes que patrocinam esportes olímpicos também são alvo. No nota, o Ministério do Esporte disse que "os convênios citados pela reportagem estão passando por análise" e que, "se comprovadas irregularidades, serão tomadas as medidas cabíveis". Ainda de acordo com a pasta ela colabora com as investigações da Polícia Federal e já identificou irregularidades em convênio da CBTKD. Todos os convênios suspeitos foram assinados durante a gestão do PCdoB à frente do Esporte. Leonardo Picciani, apontado por Michel Temer para comandar a pasta, alega que desde que assumiu o ministério, em 12 de maio, "orientou a equipe a fazer um pente fino em todos os contratos do Ministério". Ele foi criticado por suspender um edital que destinaria R$ 150 milhões para seleção de novos projetos. As fraudes teriam acontecido na compra de materiais e equipamentos como tatames, coletes para luta, computadores para análise de desempenho e filmadoras, entre outros. Em uma das compras, uma empresa de Saquarema (RJ) recebeu R$ 3 milhões pela compra de filmadoras, computadores e outros produtos de informática e entregou itens de menor valor. O inquérito está sob a responsabilidade da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros (Delecor), no Rio de Janeiro.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso