X

Diário da Região

24/07/2014 - 14h52min

Brasília

Tesouro: mercado recebeu bem a emissão do Global 2045

Brasília


O coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, avaliou nesta quinta-feira, 24, que a emissão de um novo papel externo com prazo de 30 anos foi bem-recebida pelo mercado. "Não podemos ainda fazer comentários qualitativos a respeito da emissão externa, mas pela repercussão na imprensa, vimos que o mercado recebeu muito bem a operação e ela foi muito bem-sucedida", afirmou.

Garrido destacou que o cupom de 5% pago no título brasileiro de 30 anos é menor que o de outros países emergentes que também fizeram emissão com esse prazo em 2014, como o México e Colômbia. Os títulos desses países, de acordo com o coordenador foram de 5,5%. "O Global 2045 teve o melhor cupom para títulos brasileiros com vencimento de 30 anos", reforçou, lembrando que o cupom do papel anterior (Global 2041) era de 5,625%.

Questionado sobre o spread alto da operação - 187,5 pontos acima da Treasury (título do Tesouro Americano) - , Garrido argumentou que o spread nessa operação não depende apenas das condições econômicas do País, mas também da variação dos spreads de outros países. "Achamos que o momento escolhido para emissão brasileira foi adequado pelo fato da Treasury estar no ponto mais baixo dos últimos 13 meses", justificou.

Prefixados

De acordo com Garrido, o Tesouro Nacional continua a ver uma trajetória de queda nas taxas de títulos prefixados tanto em junho quanto em julho. Como exemplo, ele citou o papel LTN com vencimento em janeiro de 2018, que foi vendido a uma taxa de 12,05% ao ano no começo de junho e a 11,73% ao ano no fim do mês passado.

"De junho pra julho, tivemos mudança de títulos vendidos pelo Tesouro e passamos a vender o título com vencimento em junho de 2018", acrescentou. Garrido também citou o título de dez anos NTN-F com vencimento em 2025, que foi vendido em 11 de junho com uma taxa de 11,96% ao ano, e chegou no leilão de hoje a uma taxa de 11,73% ao ano.

Garrido disse também que a participação dos títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) deve voltar a sair das metas do Plano Anual de Financiamento (PAF) no mês de julho. A fatia de títulos prefixados subiu de 39,68% em maio para 40,73% em junho, voltando para dentro da banda do PAF que prevê um intervalo de 40% a 44%. "Lembrando que as metas do PAF são para dezembro", destacou Garrido, sugerindo que a fatia dos prefixados voltará para a meta até o final do ano.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso