X
X

Diário da Região

15/01/2015 - 16h55min

São Paulo

Taxas futuras de juros recuam após sessão volátil

São Paulo


As taxas de juros futuros terminaram em baixa, depois de operarem com volatilidade ao longo desta quinta-feira, 15, reagindo a uma série de fatores, entre as oscilações do dólar, o desempenho do rendimento dos Treasuries e dados domésticos.

No fim do pregão regular, na B&M Bovespa, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para abril de 2015 (41.860 contratos), 12,195%, ante 12,209% no ajuste anterior. O DI para abril de 2016 (159.330 contratos) apontava 12,62%, ante 12,66% no ajuste da véspera.

O DI para janeiro de 2017 (227.960 contratos) indicava 12,37%, na mínima, ante 12,44% ontem e o DI para janeiro de 2021 (70.460 contratos) tinha taxa de 12,01%, ante 12,08% no ajuste da quarta-feira.

As taxas de juros futuros de curto prazo subiram no início da sessão, impulsionadas pelo Índice de atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) melhor que o esperado.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou relativa estabilidade em novembro ante outubro de 2014 na série com ajuste sazonal, ao subir 0,04%.

Segundo dados do BC, o número passou de 146,75 pontos em outubro (dado revisado), na série dessazonalizada, para 146,81 pontos no mês passado, no maior nível desde setembro (146,91). O resultado do IBC-Br ficou acima da mediana das estimativas dos 25 analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE Projeções (-0,20%), mas dentro do intervalo de -0,40% a +0,30%.

As longas também avançaram, acompanhando a alta do dólar e influenciadas pelo leilão de títulos prefixados do Tesouro Nacional. Por outro lado, a redução da taxa básica da Índia e a queda dos juros dos Treasuries limitava a abertura da curva a termo.

O recuo do dólar pela manhã, após a divulgação do relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), puxou as taxas de vencimento mais longo para baixo, movimento que perdurou até o fim do pregão, apesar da recuperação do dólar.

A Opep previu crescimento um pouco maior da demanda em 2015 e cortou em 100 mil barris diários a projeção para a alta da oferta nos EUA, indicando um menor desequilíbrio no mercado da commodity, que já se desvalorizou mais de 50% desde junho de 2014.

No caso dos vencimentos curtos e intermediários, as taxas também se firmaram em queda na segunda parte da sessão devido a um ajuste de posições por parte dos investidores, a uma semana da reunião do Copom.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso