X

Diário da Região

03/06/2015 - 15h43min

Brasília

Sistema permite gestor público cruzar dados de fornecedor em pregão eletrônico

Brasília

Uma conta superior a R$ 60 bilhões em gastos públicos passa a contar com uma novidade. O governo federal começou a usar um sistema, instalado na semana passada, que permite ao gestor público que realiza pregões eletrônicos cruzar informações sobre os sócios de todas as empresas fornecedoras do Estado. No ano passado, as compras governamentais acumularam R$ 62,1 bilhões, segundo dados do Ministério do Planejamento. "O sistema permite ao gestor verificar se um dos CPFs nas empresas do certame tem problemas com o setor público e isso dá mais segurança ao governo", disse o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Cristiano Heckert, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo". O sistema começou a ser usado por toda a máquina federal em meados de maio e Heckert avalia que ele vai ganhar força a partir de agora. "Temos relatos frequentes de gestores que, somente depois de realizado um leilão, conseguem levantar todas as informações de todos os sócios de uma empresa e, se há algum problema envolvendo um único CPF de uma empresa contratada, o gestor pode ter problemas", explicou Heckert. "O sistema não tem o poder de bloquear nenhuma compra governamental, mas ele vai emitir um alerta ao gestor", disse o secretário. As compras governamentais foram impulsionadas no governo Dilma Rousseff. Uma das medidas do Plano Brasil Maior, lançado em 2011, era dar uma margem de preço maior para produtos e serviços com maior conteúdo local. A ideia era estimular a indústria nacional. Ao mesmo tempo, o governo também ampliou seus gastos com essas compras, aumentando a demanda interna. Em 2012, as compras federais somaram um nível recorde, de R$ 83 bilhões. No ano seguinte, houve uma pequena queda, mas o patamar ainda continuou muito elevado, com compras totais de R$ 76 bilhões. Já em 2014, a queda foi maior ainda, a R$ 62,1 bilhões. Segundo Heckert, a queda verificada no ano passado foi resultado de uma série de fatores. "Por ter sido ano eleitoral, há uma série de limitações para o gasto público e isso evidentemente reduz as compras. Além disso, a situação de ajuste fiscal começou ainda no fim do ano passado. Finalmente, há algum ganho de eficiência também com uma mesma compra custando menos", disse o secretário. Ele não quis fazer projeções para o desempenho desse gasto bilionário para o ano de 2015.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso