X

Diário da Região

24/07/2014 - 08h55min

Rio

Sindicato quer negociar fim da greve no IBGE

Rio


Após a segunda divulgação da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) afetada pela ausência de dados para duas das seis regiões metropolitanas, o sindicato dos servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em greve há dois meses, sinalizou que pode recuar, caso a direção do instituto e o governo federal se mostrem abertos a negociar. Segundo a diretoria da executiva nacional do ASSIBGE-SN, Ana Magni, o principal obstáculo para a volta ao trabalho é a demissão de temporários, vista como uma represália a quem aderiu a greve.

"Hoje, o principal impedimento de construir uma saída para a greve é que nós temos quase 200 (temporários) demitidos. Nós podemos aceitar grupo de trabalho com a direção, que não é a proposta que nós tínhamos. Era uma proposta de uma mudança de carreira pensada com o governo federal. Mas podemos validar grupo de trabalho, principalmente se o governo sinalizar com um olhar diferenciado para o que reivindicamos", afirmou Ana, logo após a divulgação dos dados parciais do mercado de trabalho referente a junho.

"O principal ponto de impedimento que existe é que não há categoria que consiga sair de maneira honrosa de uma greve com trabalhadores demitidos", acrescentou Ana. Recentemente, o IBGE informou que não estava renovando o contrato de temporários que estivessem com baixo nível de assiduidade e produtividade. A atitude é contestada pelo sindicato.

Os dados mais recentes mostram que o quadro de funcionários do IBGE é composto por aproximadamente 5,9 mil efetivos e 4,339 mil temporários. Segundo o ASSIBGE-SN as condições dos temporários é precária, já que eles ganham pouco mais de um salário mínimo, não têm carteira assinada nem FGTS. Mesmo assim, eles são responsáveis por uma parte importante das pesquisas, que é a coleta dos dados, disse Ana.

Até o momento, a assessoria de imprensa do IBGE informou que a presidente do instituto, Wasmália Bivar, não deve conceder entrevista.

A greve dos servidores do IBGE foi deflagrada em 24 de maio. Os funcionários reivindicavam valorização salarial ao patamar de outros órgãos de gestão, como Banco Central e Comissão de Valores Mobiliários, além de realização de concurso público. O sindicato também pedia a saída de Wasmália e de todo o conselho diretivo do instituto.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso