X

Diário da Região

28/12/2013 - 01h48min

Comércio

Rio-pretense lota lojas para trocar presentes de Natal

Comércio

Fotos: Hamilton Pavam Erica Marques: “Quem troca aproveita e compra”; Rogério Savanini: “Não precisa ter pressa
Erica Marques: “Quem troca aproveita e compra”; Rogério Savanini: “Não precisa ter pressa

Quem vai ao Calçadão de Rio Preto acha que ainda nem passou o Natal, tamanho o movimento. Pelo menos era essa a sensação ontem pela manhã. E, dentre esses consumidores há também os que foram em busca de trocar os presentes que não serviram, que vieram em cor errada ou que tiveram algum defeito. Em Rio Preto, as lojas se esforçam para atender os consumidores, até como estratégia para ganhar mais clientes e conseguir novas vendas, mas fazem uma ressalva: é preciso manter a etiqueta do produto ou pelo menos ter a nota fiscal de compra.


Em três lojas visitadas na manhã de ontem foram feitas quase 300 trocas. Segundo os lojistas, a maior parte delas por conta da numeração, ou seja, as peças não serviram no presenteado. Na loja de calçados e acessórios Humanitarian, entre a tarde de quinta-feira e a manhã de ontem já haviam sido feitas 200 trocas. Segundo o gerente Rogério Savanini, os clientes não precisam ter pressa, já que o prazo de troca é de 30 dias. “Como vendemos muito, pode ser que não haja a numeração correta, por isso aconselho o consumidor a esperar passar a virada do ano. Agora as fabricas estão paradas e a reposição só ocorre no início do ano”, disse.


Na loja, a dica é manter o produto intacto, dentro da caixa e com a etiqueta. O cliente que for à loja e não encontrar o modelo ou número correto ainda ganha mais prazo para fazer a troca. “Esse movimento faz ainda que conquistemos novos clientes. Nessa época chega a dobrar o número de crediário da loja”, afirma.


Quem for hoje ao Empório Alex também vai conseguir trocar o que não serviu. Segundo a gerente Erica Marques da Silva essa estratégia ajuda na fidelização de novos consumidores e é um meio de aumentar as vendas. Depois do Natal, até ontem, 40 trocas já haviam sido feitas. "A gente sempre troca. A não ser que seja por conta de um defeito ligado ao mau uso do produto", explica. Lá, também precisa haver a etiqueta.


A gerente da América, Sueli Custódio, afirma que muitos clientes não entendem que é necessário um mínimo para fazer a troca. Isso significa pelo menos a etiqueta, onde está o código do produto, ou a nota fiscal do produto. "Se não for assim fica complicado. Com o código, entramos no sistema de loja e rapidamente a troca é feita", disse.


Ontem, durante a entrevista, a reportagem observou a conversa de uma cliente com a gerente. Ela queria trocar uma bermuda, do filho, mas não tinha qualquer comprovante. Mais de 50 trocas foram feitas entre quinta-feira e ontem pela manhã. "A troca é muito positiva porque ajuda a vender mais, mas as pessoas precisam entender que é necessário ter a etiqueta", afirma.


Um movimento ‘morno’


A expectativa já era mediana, mas os primeiros números mostram que ainda assim ela era alta demais. As vendas para o Natal deste ano cresceram 2,7%, segundo dados da Serasa Experian. Em termos de resultados, foi o Natal mais fraco dos últimos dez anos. Em Rio Preto (foto), ainda não há um balanço oficial, mas fontes ligadas ao comércio afirmam que não houve crescimento real.


“As vendas foram consideravelmente mornas. Ou seja, aconteceu o que esperávamos. Houve aumento nominal de 5% em comparação ao mesmo período do ano passado, mas, se descontarmos a inflação do período, podemos avaliar que não teremos um crescimento real neste ano”, afirma Jorge Luís de Souza, diretor de Comércio da Acirp (Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto). Os comerciantes reclamam do baixo crescimento econômico, inflação em alta e a taxa de juros maior para o consumidor final. A esperança agora é que as promoções típicas do mês de janeiro garantam fluxo de caixa.

Hamilton Pavam A confeiteira Vera Miranda trocou a sandália que ganhou da filha

Manter etiquetas é essencial

O Código de Defesa do Consumidor não obriga os fornecedores a trocar os produtos por motivo de cor, tamanho ou gosto. Nestes casos, a loja só terá que trocar a mercadoria caso tenha prometido, segundo a Fundação Procon. E mais uma vez vale o reforço: o consumidor deve manter a etiqueta original, não violar rótulos ou usar o produto.Todo produto durável (móveis, roupas, eletrodomésticos, eletroeletrônico, entre outros) possui garantia legal de 90 dias. Se o fabricante conceder garantia contratual, o produto adquirido deve ser acompanhado de um certificado de garantia. Ainda segundo o Procon, se o produto apresentar algum problema que o torne impróprio para o consumo, o fornecedor tem 30 dias para resolver a pendência. Se não o fizer, o consumidor tem o direito de exigir a troca da mercadoria por outra igual ou a devolução das quantias pagas com correção monetária. Pode, ainda, requerer o abatimento proporcional do preço. A confeiteira Vera Aparecida Nascimento Miranda esteve ontem no calçadão. Ela ganhou uma sandália de salto alto da filha para usar quando for madrinha de um casamento no início do ano que vem. “O problema é a altura do salto. Já achei um outro modelo lindo, mais baixo e troquei. Foi muito fácil”, disse. Serviço:O Procon de Rio Preto fica na rua Silva Jardim, 3122, no Centro. Informações pelo (17) 3233-9527 / 151 e pelo procon@empro.com.br Quer ler o jornal na íntegra? >> Acesse aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso