X
X

Diário da Região

19/01/2015 - 21h06min

São Paulo

Reunião entre sindicalistas e ministros termina sem acordo

São Paulo


Os presidentes das centrais sindicais - CUT, Força e UGT, afirmaram na noite desta segunda-feira, 19, que não houve acordo com os ministros os ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto; da Previdência Social, Carlos Gabas; do Planejamento, Nelson Barbosa; e do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, A reunião durou mais de duas horas e terminou sem acordo.

Segundo fontes, o clima da conversa foi tenso e marcado posições convictas dos dois lados. Os líderes das centrais sindicais insistiram na revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 relacionadas à Previdência Social, ao seguro-desemprego e ao seguro-defeso.

Os ministros, no entanto, tentaram convencê-los de que as medidas são necessárias, corrigem distorções e asseguram os direitos dos trabalhadores. "Nós reafirmamos nossa posição, ministros se comprometeram a manter diálogo", afirmou o presidente da Força, Miguel Torres.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, lembrou a fala da presidente Dilma Rousseff durante a campanha à reeleição, quando ela garantiu que não mexeria em direitos trabalhistas "nem que a vaca tussa". "Essas medidas mexem com direitos e nós não vamos permitir isso "nem que vaca tussa", afirmou.

Segundo Torres, os ministros explicaram que as MPs não poderiam ser revogadas "por questões técnicas". "Mas vamos propor alterações nas medidas apresentadas", garantiu Freitas. Para o presidente da CUT, o governo tem que estar aberto para fazer as modificações propostas. "Se não fica sem eficácia essa reunião e o diálogo", disse.

Antes mesmo da reunião, líderes das centrais disseram ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que estavam céticos com relação a um acordo e que reafirmaram um protesto contra as medidas para o próximo dia 28. Além disso, eles afirmaram que pretendem fazer pressão no Congresso para que as MPs não sejam promulgadas.

Os sindicalistas disseram ainda que ficaram sabendo das medidas anunciadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e que elas "complicam ainda mais o cenário". "O ajuste fiscal não será feito com perda de direitos dos trabalhadores", afirmou Freitas. Os sindicalistas afirmaram que terão uma reunião das centrais em breve para discutir melhor os impactos das medidas da Fazenda.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso