X
X

Diário da Região

07/04/2015 - 13h56min

Brasília

Mudanças da MP 664 visam garantir sustentabilidade da previdência, diz ministro

Brasília

O ministro da Previdência Social, Carlos Gabas, afirmou nesta terça-feira, 07, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que as modificações nas regras do sistema previdenciário, introduzidas na Medida Provisória 664, têm por objetivo garantir a sustentabilidade do regime. Entre outros pontos, a MP altera o prazo mínimo de contribuição para obtenção da pensão por morte e as regras para recebimento do auxílio-doença e ainda amplia o tempo para o trabalhador receber o pagamento diretamente da empresa em caso de afastamento. "Precisamos planejar qual previdência social desejamos deixar para as próximas gerações. Não se trata de tirar direitos, se trata de organizar a previdência para que tenhamos sustentabilidade", defendeu ele, ao frisar que as mudanças previstas na MP já vinham sendo discutidas com os setores da sociedade. O ministro da Previdência destacou que os brasileiros não vivem mais na década em que as regras começaram a ser criadas, citando o fato de que a primeira unificação do regime previdenciário começou no país em 1968. Ele lembrou que, anteriormente, o País chegou a ter oito contribuintes por aposentado e hoje, a proporção é de 2,1. Modelos O ministro disse também que o modelo de previdência no País prevê a participação dos poderes públicos e de contribuições privadas, realidade que é diferente da existente em outros países. Ele disse ainda que existem os modelos de contribuição urbano e rural, com sistemas distintos de financiamento. Ao destacar que o modelo do País é próprio, após análise de medidas de outros países, o ministro exemplificou o que considera como "distorção" em relação ao recebimento de auxílio-doença. Ele disse que "em mais da metade dos casos" o trabalhador afastado por motivo de saúde recebe mais do que em atividade. "Eu ganho R$ 1 mil e quando me afasto recebo R$ 1,2 mil. Isso não é razoável, isso é uma distorção", disse, ao observar que com a MP a prática foi alterada. Militares Gabas admitiu também que falta um debate sobre o regime previdenciário para os militares. Em audiência na CAE, Gabas disse que, embora não seja especialista na área, mostrou-se preocupado com a sustentabilidade do regime militar. Em resposta a questionamentos do senador Omar Aziz (PSD-AM), o ministro lembrou que os militares não se aposentam, mas vão para a reserva e ficam permanentemente à disposição. Ele disse que é possível se pensar num modelo para as pensões de parentes de militares, não abrangidas com as alterações na regras trabalhistas e previdenciárias nas medidas provisórias 664 e 665.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso