X
X

Diário da Região

14/01/2016 - 13h41min

São Paulo

Moody's: corte de gastos da Petrobras é positivo, mas desafios permanecem

São Paulo

A decisão da Petrobras de reduzir fortemente sua despesa de capital é positiva, uma vez que ajuda a empresa petrolífera a preservar o caixa num momento em que ela está enfrentando um risco significativo de refinanciamento, afirmou a agência de classificação de risco Moody's. No entanto, estimativas de uma redução limitada na sua meta de produção para 2020 implicam preços muito baixos no setor de equipamentos e serviços, bem como na contínua produtividade operacional, acrescentou a agência. A Petrobras anunciou nesta semana corte de 36% em seus investimentos, de US$ 28,8 bilhões para uma média anual de US$ 19 bilhões para o período de 2017 a 2019. A empresa tem cerca de US$ 24 bilhões em dívida com vencimento nos próximos dois anos. "Enquanto o corte no plano de investimentos vai ajudar a proteger a posição de caixa da Petrobras, opções de financiamento da empresa continuarão a ser limitadas diante do cenário de preço baixo do petróleo e uma economia brasileira fraca", disse Nymia Almeida, vice-presidente e diretora de crédito sênior da Moody's em relatório. "A Petrobras continua a operar em condições difíceis. Como resultado, sua qualidade de crédito permanecerá sob estresse considerável no curto e médio prazo", acrescentou Almeida. Segundo a Moody's, a economia brasileira fraca, os preços do petróleo voláteis e o real tornam as perspectivas difíceis para venda de ativos e as incertezas políticas devem limitar as opções de financiamento da empresa. Além disso, os bancos no Brasil estão enfrentando suas próprias restrições de crédito e, provavelmente, têm muito menor apetite pelo risco em uma economia em contração. A produtividade de capital da Petrobras será reduzida, uma vez que a empresa aumentará os investimentos em 2016 em US$ 1 bilhão, para US$ 20 bilhões, enquanto a produção de petróleo vai diminuir em 2% no ano. Quanto a 2020, a empresa estima efeito limitado na meta de produção de petróleo a partir da diminuição dos gastos de capital. Mas o real impacto dependerá de muitos fatores, incluindo a natureza dos cortes nas despesas, os preços pagos diariamente pelos equipamentos e serviços e ganhos continuados de produtividade. Além disso, os investimentos mais baixos em projetos de longo prazo provavelmente poderiam não impactar a produção até depois de 2020.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso