X
X

Diário da Região

11/02/2015 - 15h59min

São Paulo

Meta fiscal está mais difícil, mas não deve ser alterada, avalia Itaú Unibanco

São Paulo


As condições para o governo federal cumprir a meta de superávit primário ficaram muito mais duras, mas a meta não deve ser alterada. A avaliação é do economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn. Os agentes do mercado financeiro já começam a desacreditar no sucesso da equipe econômica em cumprir a proposta anunciada ainda em dezembro, na avaliação de Goldfajn. Apesar disso, o economista e sócio do Itaú Unibanco não alterou a projeção do resultado fiscal para 2015.

Goldfajn continua confiando na superação do déficit primário de 0,63% do PIB em 2014 e da conquista de um superávit primário de 1,2% do PIB neste ano. O motivo está no provável anúncio de mais medidas, que totalizariam uma contribuição de 0,5% do PIB no superávit, e na queda do PIB.

Ou seja, com a redução do Produto Interno Bruto, o governo teria um esforço um pouco menor para conter os gastos públicos de um lado e expandir a arrecadação do outro.

A previsão do Itaú Unibanco para o PIB de 2015 é de retração de 0,5%, sem considerar o efeito do racionamento de energia elétrica e de água que ainda não estão formalizados. Considerando o uso controlado desses dois insumos básicos, o PIB tende a sofrer um recuo de 1% no ano, segundo estimativa do banco.

Goldfajn rejeita a tese de que a meta fiscal deve ser alterada. Concorda que as condições macroeconômicas estão muito mais complicadas hoje do que estavam há dois meses quando a meta foi estipulada. Mas ele argumenta que a mudança seria um erro. "A gente pode dizer que seria legítimo (fazer a mudança dado o resultado fiscal de 2014 e a projeção de recuo no PIB em 2015) e caminhar para um downgrade (na nota de risco dos títulos soberanos das agências internacionais)", afirma. "A meta fiscal não é só uma visão do que é um valor justo. Ela tem um propósito por trás", diz, lembrando a deterioração das contas públicas em um curto espaço de tempo.

Juros

Apesar de ter alterado a projeção do IPCA em 2015 para 7,4% e de "não ver a inflação chegando a 4,5% em 2016", como insiste em dizer o Banco Central, Goldfjan não alterou a projeção da Selic para o fim de 2015. A previsão ainda é de 12,5% ao ano.

A política monetária enfrenta sinais fortes e divergentes. De um lado, o PIB cadente sugere um fim breve para o aperto monetário; do outro, o dólar caro indica inflação mais alta. "(A execução das políticas) fiscal e monetária ficaram mais difíceis esse ano", diz.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso