X
X

Diário da Região

11/09/2015 - 13h50min

São Paulo

MCM: desaceleração chinesa pode reduzir PIB do Brasil em 0,3 ponto porcentual

São Paulo

A perspectiva de desaceleração da economia da China deve ter impacto negativo de 0,3 ponto porcentual sobre o PIB brasileiro entre 2015 e 2016, segundo estudo da MCM Consultores divulgado na manhã desta sexta-feira, 11. De acordo com a consultoria, dada a importância adquirida pela China na demanda global, esse processo tem consequências imediatas para os grandes produtores de commodities, como, por exemplo, Brasil e Austrália. Nas estimativas da instituição, a China deve crescer 7,0% em 2015 e 6,7% em 2016. "No entanto, qualquer frustração das projeções para a China joga ainda mais para baixo a perspectiva para o desempenho do Brasil nos próximos anos", dizem os profissionais. A expectativa da instituição para o PIB do País já é bastante pessimista: queda de 3,1% em 2015 e recuo de 1,3% em 2016. O estudo foi realizado a partir de um modelo que considera uma série de variáveis, entre elas, PIB dos dois países, câmbio, preço do petróleo em dólar. "Desde o início do processo de rebalanceamento chinês, de 2011 até 2014, a média do ritmo de desaceleração do crescimento observado foi de 0,76 ponto porcentual ao ano. Para 2015 e 2016, nossa expectativa é de uma redução de ritmo mais modesta, da ordem de 0,3 ponto", afirmam. Além do efeito sobre as exportações brasileiras, "um dos principais canais de transmissão do crescimento chinês no Brasil se dá via investimentos", afirmam os economistas. De acordo com a MCM, o impacto da desaceleração da economia da China sobre o crescimento brasileiro tem sido menor nos últimos anos, mas continua contribuindo negativamente. "O desempenho mais fraco da China teria reduzido a variação média anual do PIB brasileiro em 1,5 ponto porcentual de 2003 até 2011. Para o período subsequente, a contribuição da China passaria a ser negativa em apenas 0,6 ponto", constatam os profissionais. "Independentemente deste movimento, nosso desempenho econômico nos últimos três anos e meio continua sendo fraco por conta da maior importância assumida pelos efeitos domésticos", ressalta o estudo. Desse modo, a consultoria, por fim, alerta que, neste momento, o risco maior é de frustração com o quadro externo, "o que imprime um viés pessimista para as nossas estimavas de crescimento para os próximos anos".

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso