X
X

Diário da Região

03/03/2017 - 17h17min

Brasília

Mansueto: reforma da Previdência este ano é chance de juro de equilíbrio menor

Brasília

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, disse nesta sexta-feira, 3, no Twitter, que reformar a Previdência neste ano é uma "boa chance" de consolidar taxas de juros de equilíbrio mais baixas. "Vamos debater extensivamente a reforma da Previdência, mas não acreditem em soluções mágicas. Simplesmente não existem", disse, na rede social. Mansueto afirmou que, sem a reforma, o governo terá ao longo dos anos que cortar despesas com saúde e educação e, ainda assim, aumentar a carga tributária, já que os gastos com Previdência passarão de 12% do PIB para 20% do PIB até 2060. Ele acrescentou que "raiva ou mágica" não solucionarão o fato de que o Brasil passará por um rápido processo de envelhecimento nos próximos 30 anos. "A reforma vai evitar desastre fiscal. Sem reforma da Previdência, prepare o seu bolso para pagar mais impostos. Fato". O secretário ressaltou que as pessoas precisam poupar para garantir a renda do trabalho quando se aposentarem. "Previdência pública deve ser vista como garantia de renda mínima, um seguro social, e não como mecanismo de garantir renda plena do trabalho", ressaltou. O secretário defendeu a reforma proposta pelo governo Michel Temer e disse que quem se aposenta com menos de 60 anos não são os pobres, mas trabalhadores de classe média e alta. "Ao contrário do que muitos pensam, Previdência não é uma política de combate à pobreza. Para isso existem programas melhores e mais baratos", completou. Mansueto questionou a rede de "welfare state" (estado de bem estar social) do Brasil, que atinge 24% do PIB. "É semelhante à de um país rico como o Canadá. A diferença é que metade aqui é Previdência. Estranho país jovem gastar tanto com Previdência e assistência", observou. De acordo com o secretário, metade da despesa não financeira do governo federal hoje é com aposentadorias e pensões. "Todo gasto do setor público (municípios, Estados e governo federal) com saúde pública e educação é um pouco menor que gasto com Previdência", comparou. Ele rebateu ainda o argumento de que a cobrança da dívida ativa tornaria desnecessária uma reforma da Previdência e disse que apenas 4% da dívida previdenciária tem alta chance de recuperação.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso