X
X

Diário da Região

03/12/2015 - 17h08min

São Paulo

Juros se ajustam para cima com ata do Copom e impeachment

São Paulo

Esta quinta-feira, 3, foi de volatilidade no mercado futuro de juros, onde as taxas oscilaram ao sabor do noticiário político, econômico e internacional. Apesar da forte correlação entre dólar e juros, as taxas resistiram à forte queda da moeda americana ante o real e registraram alta durante a maior parte do dia. O tom mais "hawkish" da ata da última reunião do Copom dividiu as atenções dos investidores com a aceitação do pedido de processo de impeachment contra a presidente Dilma Roussef. Assim como ocorreu nos outros mercados, os investidores receberam a notícia como uma possibilidade de desfecho para o cenário incerto dos últimos meses. Por outro lado, o mercado viu chances concretas de novas elevações da taxa Selic nos próximos meses, diante do risco inflacionário. As taxas dos vencimentos mais longos dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) chegaram a cair pela manhã, apoiadas na expectativa de definição do quadro político e na possibilidade de aumento de juros no curto prazo. Mas perderam força e passaram a projetar maior prêmio de risco com a realização do leilão de títulos do Tesouro e as análises sobre a permanência ou saída de Dilma no cargo. Segundo uma das teorias, o afastamento da presidente poderia sinalizar menor chance de interferência política nas decisões do BC, o que teria acabado por dar fôlego às apostas de aumento de juros. As taxas aceleraram o ritmo de alta à tarde, que ficou concentrada principalmente nos vencimentos intermediários, entre outubro de 2016 e janeiro de 2018. A aceleração do dólar após as 15h, no entanto, acabou por frear o avanço das taxas. No cenário internacional, estiveram entre os principais destaques do dia a divulgação de estímulos do Banco Central Europeu (BCE) à zona do euro, que ficaram aquém do esperado e acabaram por provocar reações negativas em alguns ativos. As bolsas americanas caíram e os juros dos Treasuries (títulos do Tesouro dos EUA) dispararam, contribuindo para inibir a queda por aqui. Nos negócios na BM&F, o DI para julho de 2016 fechou com taxa de 15,13%, contra 15,10% do ajuste de quarta-feira. O DI de janeiro de 2017 ficou em 15,76%, ante 15,66% do ajuste anterior. O vencimento de janeiro de 2018 terminou com taxa de 16,03%, de 15,92%. Na ponta mais longa da curva, o DI de janeiro de 2021 indicou taxa de 15,72%, ante 15,68%.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso