X
X

Diário da Região

26/01/2016 - 16h53min

São Paulo

Juros se ajustam para baixo com melhora no cenário externo

São Paulo

As taxas de juros negociadas no mercado futuro tiveram uma terça-feira, 26, de queda, favorecida pela sensível melhora do cenário internacional, a partir da recuperação dos preços do petróleo. Com o dólar em forte queda, os juros passaram por ajustes e tiveram os prêmios de risco reduzidos em toda a curva a termo, mas principalmente nos vencimentos intermediários e longos. A recuperação do petróleo foi o principal fator de melhora do humor dos investidores e começou ainda pela manhã, depois que o ministro do Petróleo do Iraque, Abdul Karim Luaibi, disse que a Arábia Saudita, maior exportador mundial de petróleo, está "mais flexível" em relação a possíveis cortes em sua produção. Além disso, a petrolífera saudita Saudi Aramco disse que o aumento da demanda por petróleo pode superar 1,2 milhão de barris por dia em 2016. Em resposta, a commodity subiu com força, voltando ao patamar superior a US$ 32 o barril. A recuperação impulsionou bolsas pelo mundo e o dólar se desvalorizou frente às moedas de países exportadores de commodities. No Brasil, a moeda americana operou abaixo do patamar dos R$ 4,10 e favoreceu a queda das taxas de juros. Desde as vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que as taxas dos contratos mais longos vinham subindo com mais força, indicando maior percepção de risco com o Brasil. Com os ajustes de hoje, o "spread" entre os contratos de janeiro de 2017 e 2021, que chegou a superar os 200 pontos-base na semana passada, recuava para 138 pontos no final desta tarde. As oscilações foram menores nos vencimentos mais curtos, que sofreram agressivos ajustes na semana passada, quando o Banco Central passou a sinalizar a manutenção da taxa Selic nos atuais 14,25% ao ano, contrariando indicações anteriores de que elevaria os juros em 0,50 ponto porcentual. Em meio às discussões sobre ingerência política no Banco Central, as atenções se voltam à divulgação da ata da reunião do Comitê, na próxima quinta-feira, que trará as justificativas para a manutenção dos juros básicos da economia. Ao final dos negócios no horário regular da BM&FBovespa, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em abril de 2016 tinha taxa de 14,255%, ante 14,269% do ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2017 projetou 14,73%, contra 14,85% do ajuste anterior. O vencimento de janeiro de 2018 teve a taxa reduzida de 15,83% para 15,57%. No trecho mais longo da curva, o DI para janeiro de 2021 terminou o dia com taxa de 16,37%, ante 16,61%.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso