X
X

Diário da Região

18/12/2015 - 17h10min

São Paulo

Juros longos fecham em alta com especulações sobre Fazenda e decisão do STF

São Paulo

As incertezas sobre o cenário político, principalmente as relacionadas à possível saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e a seu eventual substituto, concentraram as atenções do mercado doméstico nesta sexta-feira, 18, e os juros futuros de longo prazo fecharam em alta. As taxas curtas terminaram estáveis, tendo desacelerado o avanço somente no final dos negócios. Outro argumento para o reforço de prêmios foi a vitória do governo no Supremo Tribunal Federal (STF), ontem, que decidiu que o Senado pode barrar o processo de impeachment da presidente Dilma. Na seara da economia, o IPCA-15 de dezembro, de 1,18%, veio acima da mediana das estimativas, o que ajudou a pressionar as taxas. Ao término da sessão regular na BM&FBovespa, o DI julho de 2016 fechou em 15,135%, estável ante o ajuste anterior. O DI janeiro de 2017 passou de 15,85% para 15,85%. O DI janeiro de 2021 subiu de 16,13% para 16,33%. As taxas tiveram uma manhã de alta, mas os vencimentos curtos chegaram a perder força quando o dólar também desacelerava os ganhos ante o real, batendo mínimas. Os longos contudo continuaram subindo ao longo do dia para atingir as máximas à tarde, no momento em que as especulações sobre quem poderia assumir a Fazenda no lugar de Levy ganharam força. Nesta tarde, havia nas mesas de operações rumores sobre a possibilidade de o ex-ministro Ciro Gomes assumir a pasta, mas tanto ele quando o ministro da Casa Civil, Jacques Wanger, negaram que iriam para a Fazenda. A aposta mais forte do mercado nesta tarde era o nome do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, embora não seja exatamente o que o investidor gostaria. Barbosa é visto com alguém que tem afinidade com a presidente Dilma, dado o seu perfil mais desenvolvimentista. Por isso, há preocupação em razão do risco de uma retomada da política heterodoxa que marcou o primeiro mandato. Mesmo porque para mercado, com a decisão de ontem do STF, cresceram as chances de não haver impeachment da presidente. Conforme apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, Levy quer se despedir ainda hoje da presidente Dilma e deixar o governo. Com o fim do ano legislativo, o ministro considera que não faz mais sentido continuar à frente da Fazenda. O risco do cenário político também faz a bolsa afundar e o dólar mostrar alta firme. Às 16h48, o Ibovespa caía 3,13%, a R$ 43.846,52 pontos. O dólar à vista avançava 1,23%, a R$ 3,9417.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso