X
X

Diário da Região

06/11/2015 - 18h00min

São Paulo

Juros futuros terminam perto dos ajustes com desaceleração do dólar

São Paulo

O avanço firme do dólar ante o real na maior parte da sessão desta sexta-feira, 6, e a disparada dos yields dos Treasuries (títulos do Tesouro norte-americano) - após divulgação de dados de emprego dos EUA (payroll) - sustentaram a alta dos juros futuros até a metade da tarde. Só que a desaceleração do dólar no Brasil acabou por pesar nas taxas futuras, que se reaproximaram dos níveis de ontem na reta final da sessão regular. O DI para janeiro de 2017, o mais negociado, exibiu taxa de 15,35% no encerramento dos negócios regulares, com máxima de 15,55% no dia e ajuste de 15,37% ontem. O DI para janeiro de 2016 estava a 14,24%, de 14,255% no ajuste anterior. Já o DI para janeiro de 2019 marcava 15,74%, de 15,72%, e o DI para janeiro de 2021 estava em 15,63%, de 15,57%. Pela manhã, o IBGE informou que a inflação medida pelo IPCA subiu 0,82% em outubro, de +0,54% em setembro e um pouco acima da mediana das estimativas coletadas pelo AE Projeções, de 0,80%. Com o resultado, a taxa acumulada no ano atingiu 8,52% e o resultado em 12 meses ficou em 9,93%. Na visão de analistas, com os preços tão pressionados, o Banco Central terá que manter sua política monetária restritiva por ainda mais tempo se, de fato, quiser levar a inflação para 4,5% em 2017. O resultado do IPCA sustentou o viés de alta das taxas dos DIs mais cedo. Mas, quando os EUA divulgaram os números de seu relatório do mercado de trabalho (payroll), os ganhos se intensificaram, em sintonia com o avanço do dólar ante o real e com a disparada dos yields dos Treasuries. A criação de 271 mil vagas em outubro, bem acima da previsão de 183 mil postos, elevou as apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) subirá juros já em dezembro. Neste cenário, a taxa do DI para janeiro de 2017, por exemplo, chegou a marcar a máxima do dia de 15,55%. No entanto, ela desacelerou posteriormente e, durante a tarde, se reaproximou do ajuste de ontem (15,37%), justamente porque o dólar também perdeu força no Brasil. Profissionais do mercado de câmbio citaram um fluxo de entrada de recursos no País durante a tarde e um movimento de "eliminação de exageros nas cotações", passado o impacto do payroll. No fim da tarde, o dólar à vista tinha alta de apenas 0,15%, aos R$ 3,7814, enquanto a divisa para dezembro cedia 0,03%, aos R$ 3,8090.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso