X
X

Diário da Região

04/01/2016 - 17h18min

São Paulo

Juros futuros caem na 1ª sessão de 2016, apesar da forte alta do dólar

São Paulo

Os juros futuros encerraram a primeira sessão do ano com as taxas em baixa, a despeito da forte pressão vista no câmbio, que influenciou os contratos futuros apenas no início do dia. No término da sessão regular da BM&FBovespa nesta segunda-feira, 4, o DI abril de 2016 fechou em 14,740%, de 14,739% no ajuste anterior. O DI janeiro de 2017 terminou na mínima de 15,76%, de 15,87%, e o DI janeiro de 2021, também na mínima, encerrou em 16,58%, de 16,62%. As taxas abriram em alta expressiva, em linha com o dólar negociado acima de R$ 4 e com a aversão ao risco que pautava os demais ativos, por sua vez, reflexo das tensões nos mercados financeiros da China. A bolsa de Xangai caiu quase 7%, após o índice de atividade dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) no setor industrial do país ter caído em novembro pelo 10º mês consecutivo. Além disso, algumas medidas tomadas pelo governo para conter a queda das bolsas no ano passado estão perto de expirar, como a proibição das vendas de ações a descoberto, o que pressionou as ações chinesas e acionou o novo sistema de circuit breaker local. No final da manhã, a alta dos juros futuros deu lugar a um movimento de devolução de prêmios principalmente nos vencimentos mais curtos. De acordo com fontes nas mesas de renda fixa, este trecho teria "gordura" até em excesso em termos de precificação para a política monetária para o quadro de fraqueza da atividade no Brasil. E os indicadores de economias importantes, como a China e EUA, também trazem preocupação para o cenário global. Nesta tarde, uma série de dados da economia norte-americana frustrou as expectativas - entre eles o PMI do setor industrial, que caiu para 51,2 em dezembro, de 52,8 em novembro, o nível mais baixo desde outubro de 2012. No trecho mais longo, profissionais acreditam que as taxas devem oscilar pouco enquanto não houver novidades no quadro político. Um dos focos é o julgamento, até março, pelo Tribunal de Contas da União (TCU) das pedaladas fiscais do governo Dilma e a atribuição de responsabilidade para cada uma das 17 autoridades do governo arroladas no processo, entre elas o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. Às 16h28, o dólar à vista subia 2,17%, a R$ 4,0461, e o dólar para fevereiro era negociado a R$ 4,082 (+2,08%). Nas ações, o Ibovespa estava na mínima de 42.385,77 pontos, em baixa de 2,22%.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso