X
X

Diário da Região

09/10/2015 - 17h40min

São Paulo

Ibovespa soma 9ª alta seguida com ajuda do exterior

São Paulo

A Bovespa oscilou entre altas e baixas durante boa parte desta sexta-feira, 9, em sintonia com Nova York. Investidores até ensaiaram uma realização de lucros no Brasil à tarde, vendendo ações, mas, como os índices em Wall Street se fortaleceram, o Ibovespa ainda conseguiu terminar em alta de 0,47%, aos 49.338,41 pontos. Foi o nono avanço consecutivo, com a bolsa acumulando +12,24% no período. Na mínima do dia, a bolsa chegou a marcar 48.698 pontos (-0,83%) e, na máxima, atingiu 49.752 pontos (+1,31%). O giro financeiro somou R$ 7,769 bilhões. Em Nova York, o Dow Jones avançou 0,20%, aos 17.084,49 pontos, o S&P 500 teve alta de 0,07%, aos 2.014,89 pontos, e o Nasdaq subiu 0,41%, aos 4.830,47 pontos. Durante o dia, as mesas de renda variável repercutiam ainda a divulgação de ontem da ata do último encontro do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Em linhas gerais, a percepção foi de que a instituição tende a elevar juros apenas mais à frente, provavelmente em 2016, o que tira pressão do mercado de ações. Hoje, dirigentes da instituição voltaram a comentar publicamente a questão. Mais uma vez, não ficou claro, pelos discursos, qual será a postura da instituição, embora a maior parte dos players esperem por um aumento de taxas apenas no ano que vem. O presidente da regional de Chicago do Fed, Charles Evans, afirmou que o momento de elevação dos juros não é tão importante quanto o ritmo da ação. "A taxa de juros deveria ficar abaixo de 1% até o fim de 2016", afirmou. Segundo ele, a decisão do Fed será guiada pelos indicadores. "Quero ter mais confiança de que a inflação subirá antes de apoiar a elevação de juros", acrescentou. Já o presidente do Fed de Nova York, William Dudley, afirmou que, se a economia evoluir como esperado, "as taxas serão elevadas em 2015". "O Fed poderá aumentar as taxas de juros em sua reunião de política monetária em outubro", disse. Ao mesmo tempo, o titular do Fed de Atlanta, Dennis Lockhart, disse ser improvável a adoção de taxas negativas de juros no curto prazo. No Brasil, alguns dos papéis que passaram por realização de lucros foram os que subiram com vigor nos últimos dias, como Petrobras. No fechamento de hoje, o papel ON da petrolífera marcou 0,37% e o PN +0,57%. CSN continuou como destaque entre as siderúrgicas, com o mercado precificando um aumento de preços de seus produtos pela empresa, entre 6% e 10%. O papel subiu +6,60%. Usiminas PNA avançou 1,63%, Gerdau PN teve ganho de 0,60%, mas Metalúrgica Gerdau PN caiu 3,74%. Vale ON terminou com valorização de 3,64% e Vale PNA, de 2,01%.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso