X
X

Diário da Região

10/09/2015 - 16h43min

Rio

Ibama concede licença prévia à Petrobras para construção de gasoduto para Comperj

Rio

Após dois anos de estudos, a Petrobras recebeu licença prévia do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a implantação do Gasoduto Rota 3, principal via de escoamento da produção de gás do pré-sal de Santos ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). De acordo com o Plano de Negócios da estatal, a previsão era que a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do Comperj, que utilizará o gás do pré-sal, tivesse produção iniciada em 2017. Entretanto, no documento encaminhado ao órgão ambiental, a petroleira disse que ainda não tem cronograma definido para o projeto, orçado em R$ 2,755 bilhões. Inicialmente, todo o sistema deveria estar pronto em 2016 - mas a licitação foi adiada sem nova data. A construção do ramal de 11 km entre o Comperj e Gaupimirim, para escoamento da produção após tratamento, teve licitação divulgada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), mas foi suspensa sem nova data. A licença prévia, concedida na quarta-feira, tem duração de três anos e ainda estabelece condições para a implantação do projeto. O gasoduto, que integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), será destinado ao escoamento da produção de gás natural de campos localizados no polígono do pré-sal, na Bacia de Santos, com destino ao Comperj. Ao todo, serão 232 km de extensão, sendo 184 km em trecho submarino, partindo do Campo de Franco. No projeto, também está previsto a interligação do gasoduto com a Rota 2, trecho que liga o polígono do pré-sal ao Terminal Cabiúnas, em Maricá (RJ). A previsão da estatal é que a licença de instalação do empreendimento, que depende de autorização municipal, seja concedida no próximo ano. Pelo parecer do Ibama, foram identificados 35 "impactos negativos sobre os meios físico e biótico nos trechos terrestre e marítimo" e outros 12 "impactos potenciais" nas diferentes fases de implantação e operação do projeto. Para obter a licença completa do empreendimento, a estatal ainda deverá apresentar novos estudos sobre regime de vento, oceanografia, nascentes de rios, lençóis de águas subterrâneas e mapeamento e identificação de comunidades de pescadores localizados próximos à área de impacto. De acordo com o parecer do Ibama, a estatal ainda não apresentou o estudo sobre a "vulnerabilidade das comunidades ou grupos específicos de pescadores". "Este tipo de informação é central no diagnóstico socioambiental de um empreendimento como este", diz o documento.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso