X

Diário da Região

25/05/2015 - 20h31min

Brasília

Governo emitiu em abril R$ 102,21 bilhões em títulos públicos

Brasília

Com a demanda dos investidores em alta por causa das elevadas taxas de juros pagas pelo governo brasileiro, o Tesouro Nacional voltou a emitir um volume expressivo de títulos públicos no mês de abril. Foram lançados R$ 102,21 bilhões em papéis - contra R$ 45,8 bilhões em abril de 2014. Desde o início do ano, o órgão adotou a estratégia de antecipar a recompra de títulos com vencimento ao longo do ano, para reduzir incertezas e aproveitar a demanda em alta. Com isso, descontados os resgates, no acumulado do ano, há emissão líquida da DPF de R$ 38,9 bilhões. "O volume de emissões está elevado porque a demanda está elevada e as condições de mercado propiciam. Mas o volume em abril foi menor do que o emitido em março", afirmou o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, José Franco. Em abril, apesar do volume ofertado, houve resgates de R$ 112,64 bilhões, principalmente de títulos prefixados. O resultado final no mês foi um resgate líquido de R$ 10,43 bilhões. Ainda assim, o estoque da dívida pública federal (DPF) detido pelos investidores subiu 0,42% no mês passado, quando atingiu R$ 2,451 trilhões. Isso porque pesou na conta a correção dos juros, que foi de R$ 20,70 bilhões no período. No exterior De acordo com Franco, o Tesouro - que ainda não fez nenhuma emissão externa este ano - continua avaliando condições de mercado para escolher o melhor momento para acessar o mercado internacional. "O Tesouro está preparado para aproveitar janelas de oportunidade que possam surgir, mas sem pressa porque a necessidade de financiamento externo em 2015 é praticamente zero", afirmou. Segundo ele, o objetivo de uma eventual emissão externa é fazer "pontos de referência", balizar as taxas de juros pagas por empresas brasileiras em emissões no exterior. Aventada na gestão de Arno Augustin à frente do Tesouro, Franco praticamente descartou uma emissão em ienes em um futuro próximo. "Avaliamos a possibilidade de acessar outros mercados, mas em principio devemos permanecer focados em dólar e euro", afirmou. Em abril, a parcela de papéis prefixados no total da dívida recuou para 39,69% em abril e voltou a ficar fora das bandas previstas no PAF, que vão de 40% a 44%. "A ideia é ao longo do ano enquadrar todos os parâmetros da dívida nas bandas do PAF", disse Franco. A fatia da dívida atrelada ao câmbio caiu de 5,18% em março para 4,81%, ainda dentro do planejamento, por conta da variação cambial do período.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso