X
X

Diário da Região

19/07/2016 - 13h35min

São Paulo

Fóruns Estadão: compliance depende da análise de risco, diz executivo da Siemens

São Paulo

Não existe um modelo perfeito de compliance, porque um bom programa de integridade depende de uma análise de risco da própria empresa. Essa é uma das conclusões apresentadas pelo diretor de compliance da Siemens Brasil, Reynaldo Goto, durante o Fóruns Estadão - Governança Corporativa. "Não se pode negar que a empresa está em um ambiente em que existe risco, por isso a análise é sempre muito importante", disse. A Siemens ficou conhecida por ter pagado a maior multa por um caso de corrupção no mundo, em 2008, em acordo de US$ 1,6 bilhão com os governos dos EUA e da Alemanha. Segundo Goto, o escândalo, descoberto em 2006, marcou o pior momento na história da companhia, não só pelas multas, mas pela perda de credibilidade. "A pior coisa é o cliente não querendo comprar, o fornecedor não querendo entregar, excelentes profissionais saindo da empresa", contou. Goto lembrou que, logo após 2006, a companhia implementou quatro medidas essenciais: afastamento da alta direção relacionada aos ilícitos, colaboração com as autoridades, ressarcimento ao erário e implementação do sistema de compliance. Mesmo assim, esse programa de integridade não quer dizer que eles viraram "santos". "Nós não somos perfeitos. Há cerca de um mês fechamos um acordo de leniência com um país do Oriente Médio, ainda relacionado a essas sombras do passado. Passada uma década, ainda estamos limpando a estrutura da empresa, em um processo de melhoria contínua do compliance", relatou. No Brasil, em 2011 a Siemens desligou o presidente da unidade no País, após investigações internas, e em 2013 fez um acordo de leniência com as autoridades relacionado a casos de corrupção no sistema metroviário paulista. Atualmente, Goto diz que dois terços dos recursos e esforços da sua diretoria são aplicados em prevenção, com treinamentos, comunicações, políticas e controles. A Siemens também criou, em parceria com o Banco Mundial, um fundo de US$ 100 milhões para fomentar programadas de integridade ao redor do mundo. No Brasil, a companhia apoia o Instituto Ethos. Falando no mesmo painel, a professora da FGV Direito Mariana Pargendler comentou que a tendência é a governança aparecer como uma grande promessa em tempos de crise. Passada a crise, no entanto, a governança continua como resposta, até porque a ameaça de punições é um incentivo para a adoção de medidas de integridade. No caso das estatais, ela disse que é importante ter uma lei própria para essas companhias, mas que a recente legislação aprovada no Brasil ainda é tímida. "Há uma grande ambiguidade em relação aos conselheiros independentes na Lei das Estatais, pois não fica claro como garantir essa independência", apontou.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso