X
X

Diário da Região

28/08/2015 - 17h42min

Rio

Diretor da PPSA defende atratividade do País para investimento em óleo e gás

Rio

O diretor da Pré-sal Petróleo S.A. (PPSA), Oswaldo Pedrosa, afirmou nesta sexta-feira, 28, em seminário no Rio de Janeiro, que a União poderá ter direito a reservas estimadas entre 1,8 bilhão e 2,3 bilhões de barris de óleo equivalente com os atuais acordos de unitização em curso. São 11 processos em curso, articulados entre a PPSA e as empresas consorciadas para, em seguida, serem encaminhado à Agência Nacional de Petróleo (ANP). Durante o seminário Perspectivas para o pré-sal, o diretor defendeu a atratividade do País para investimentos no setor de óleo e gás. "Pré-sal com toda sua potencialidade precisa de muitos investimentos e precisa atrair esses investimentos não só no País", afirmou. "O investimento externo vai para onde existem dois fatores: potencial petrolífero da província e a estabilidade institucional do país hospedeiro, que passa por questões de geopolítica e também diz respeito às regras claras, transparentes e estáveis. Reconhecimento de direito de contratos e regulamentação que seja aderente às melhores práticas da indústria. Nós temos esses ingredientes para atrair investimentos com o regime adotado no País", afirmou Pedrosa. Queda de preço No mesmo evento, o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), Jorge Camargo, avaliou que a crise vivida pela indústria de petróleo não é transitória. "Vivemos o fim de um ciclo", disse o executivo. Camargo afirmou ainda que a crise aqui tem como "epicentro" a Petrobras, mas tem "efeito devastador" sobre toda a indústria. "Não é um momento transitório de curto prazo. Poucas empresas estão trabalhando com a hipótese de aguentar firme que o preço vai voltar. Está se formando um consenso de que as variáveis mudaram. Empresas fazem seus orçamentos para 2016 e avaliam seus projetos com valores na faixa de 50/55 dólares por barril. É um novo paradigma", afirmou o executivo. Camargo avalia ainda que a situação no Brasil é mais delicada, em função dos problemas vividos pela Petrobras. "Se temos uma tempestade em terra, o epicentro é a Petrobras, com efeito devastador sobre toda a cadeia." Para ele, o momento é de transição em toda a indústria. "Estamos vivendo o fim de um ciclo e início de outro. É difícil enxergar com o nevoeiro que a transição provoca", completou.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso