X
X

Diário da Região

28/08/2015 - 17h01min

São Paulo

Dólar sobe com exterior e dados internos decepcionantes de PIB e resultado fiscal

São Paulo

Após a trégua de quinta-feira, 27, quando o dólar caiu mais de 1%, os investidores voltaram a buscar a moeda americana nesta sexta-feira, 28, influenciados por fatores internos e externos. Os números decepcionantes do PIB brasileiro e do resultado fiscal de julho favoreceram a procura por dólares no Brasil, enquanto lá fora declarações de um dirigente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) no início da tarde reforçaram o movimento. O dólar à vista de balcão fechou em alta de 0,56%, aos R$ 3,5830. Na semana, a alta acumulada foi de 2,58%. No início do dia, às 9h32, chegou a registrar a mínima de R$ 3,5450 (-0,51%) e, à tarde, no pico da sessão, marcou R$ 3,6000 (+1,04%). O dólar para setembro, que encerra apenas às 18 horas, avançava no fim da tarde a R$ 3,5850 (+0,76%). Pela manhã, o mercado até ensaiou a continuidade do movimento de venda de dólares visto ontem, realizando os lucros mais recentes. Mas, quando os números da economia brasileira foram divulgados, ficou claro que o País tem dificuldades para voltar a crescer e para ajustar suas contas. O Produto Interno Bruto (PIB) de julho indicou retração de 1,9% no segundo trimestre, ante o primeiro, e caiu 2,6% ante o segundo trimestre do ano passado. Para piorar, o PIB do primeiro trimestre do ano foi revisado em baixa, de -0,2% para -0,7% ante o quarto trimestre de 2014. Na prática, o País está em recessão técnica. Já o Banco Central informou que o setor público consolidado teve um déficit primário de R$ 10,019 bilhões em julho - bem pior que os R$ 8,050 bilhões negativos esperados pelo mercado (mediana das previsões). Esta combinação explosiva - recessão e rombo fiscal - fez investidores buscarem a segurança do dólar. A moeda acelerou ainda mais no início da tarde, após declarações do vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, sobre o futuro da política monetária nos EUA. Segundo ele, é "muito cedo para dizer o que vamos fazer em setembro", na reunião do comitê do Fed. O comentário, na prática, não descarta a possibilidade de alta de juros no próximo mês, o que deu força ao dólar ao redor do mundo e também aos yields dos Treasuries naquele momento. Depois disso, o dólar acomodou-se em patamares mais baixos, mesmo porque hoje também já foi percebida certa pressão de investidores vendidos (posicionados na queda da moeda) antes da determinação da ptax de fim de mês, na segunda-feira. Na outra ponta, os comprados pressionaram as cotações para cima em alguns momentos.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso